Morre aos 67 anos, o cantor Roberto Leal


Cantor, conhecido pela música ‘Arrebita’, estava internado havia cinco dias no Hospital Samaritano após reação alérgica a um medicamento e teve, nas últimas horas, insuficiência renal.

Por LD* com informações do G1 SP,
Lages/SC

📷 Roberto Leal - Blog oficial / Vasco da Gama

Morreu na madrugada deste domingo (15), em São Paulo, o cantor português Roberto Leal, aos 67 anos. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do Hospital Samaritano, onde o cantor estava internado havia cinco dias devido a uma reação alérgica a um medicamento e nas últimas horas teve complicações em decorrência de uma insuficiência renal. Há dois anos ele vinha tratando um câncer. As causas da morte não foram divulgadas. 

O velório do artista será nesta segunda-feira (16) na Casa Portugal, das 07h às 14h. O enterro será à tarde, no Cemitério de Congonhas, na Zona Sul da capital paulista.

Trajetória

Nascido em Macedo de Cavaleiros, no norte de Portugal, o cantor se mudou para o Brasil aos 11 anos, com os pais e nove irmãos. Em São Paulo, trabalhou como sapateiro e vendedor em uma feira.

Em 1978, protagonizou o filme “O milagre – O poder da fé”, inspirado em sua própria história.

No final dos anos 80, voltou a morar em Portugal para se dedicar ao mercado musical europeu. Nesse período, comandou um programa de TV do país.

Roberto Leal retornou ao Brasil em 1998 e, dois anos depois, lançou o disco “Roberto Leal canta Roberto Carlos”. Seguiu produzindo discos e coletâneas. O último, “Arrebenta a festa” foi lançado em 2016.

No ano passado, saiu como candidato a deputado estadual de São Paulo pelo PTB, mas não conseguiu se eleger.

Ao longo da carreira de 45 anos, Roberto Leal gravou mais de 400 músicas e teve mais de 17 milhões de discos vendidos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enquete: participe e vote em quem você acha que será a rainha da Festa do Pinhão 2019

Lages a Nova Iorque com a Azul, a partir de junho

Internautas reagem a Mario Motta na bancada do ‘Jornal Nacional’