Postagens

Mostrando postagens de Novembro 17, 2018

Argentina diz não ter recursos para retirar submarino do fundo do mar

Imagem
O submarino ARA San Juan foi encontrado um ano após desaparecer no Mar Del Plata a cerca de 900 metros de profundidade. Por EFE, em Buenos Aires, ARGENTINA 📷  Foto do submarino ARA San Juan é vista no estacionamento da base naval em Mar Del Plata, Argentina. (Foto: Marcos Brindicci) O ministro de Defesa da  Argentina , Oscar Aguard, reconheceu neste sábado que o país não tem meios para retirar o submarino ARA San Juan, localizado durante a madrugada no Oceano Atlântico após um ano de buscas, do fundo do mar. “Eu diria que não, que não temos os meios. Não tínhamos nem os meios para encontrá-lo. Também não temos ROV (veículos de inspeção remota) para descer nessa profundidade. Nem temos equipamento para extrair uma embarcação com essas características”, afirmou o ministro em entrevista coletiva concedida em Bunos Aires. O comandante da Marinha da Argentina, José Luis Villán, ressaltou que há outros problemas para retirar o submarino do mar, como exigem os famil

Marinha argentina diz que submarino sofreu implosão quando desapareceu

Imagem
O submarino ARA San Juan desapareceu no Mar Del Plata, no dia 15 de novembro de 2017 com 44 tripulantes. Por EXAME.COM , em Mar Del Plata, ARGENTINA 📷 Marcos Brindicci O submarino  argentino  ARA San Juan, localizado no Oceano Atlântico, sofreu uma “implosão” quando a comunicação foi perdida, há um ano e um dia, e ficou alojado em uma depressão de 907 metros que fez com que não fosse localizado pelos radares, informou neste sábado a Marinha. Em entrevista à imprensa em Mar del Plata, onde o submarino tinha sua base e na qual estão reunidos os parentes dos 44 tripulantes, o chefe naval dessa cidade, Gabriel Attis, ressaltou que existem três imagens autorizadas pela Justiça a serem mostradas às famílias, tiradas durante a localização, da vela, da hélice e da seção de proa. “O submarino sofreu uma implosão”, ressaltou Attis, que não se aventurou a afirmar se será possível retirar os restos do aparelho, como pedem os parentes dos tripulantes. “É preciso ver e