Casarão Juca Antunes recebe Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra Catarinense de 14 a 18 de setembro

O FICASC chega a sua 3ª edição inovando em seu formato de exibição. Esse ano, o festival acontecerá de maneira híbrida (online e presencial) de 14 a 18 de setembro. Em parceria com a FCL, as sessões presenciais serão realizadas no Casarão Juca Antunes, patrimônio histórico, cultural e arquitetônico de Lages. 

Da Assessoria Ficasc

📷 Casarão Juca Antunes será o palco do Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra Catarinense (FICASC). (Foto: BELL RIBEIRO / FCL)

LAGES — Serão liberados na plataforma (https://www.ficasc.com.br) em torno de cinco filmes por dia, ficando as obras disponíveis por um período de 24 horas. Algumas produções serão em audiodescrição, legenda descritiva e também em Língua Brasileira de Sinais (Libras), reafirmando o compromisso com a inclusão social e dando possibilidades para pessoas com deficiência auditiva e visual curtirem o evento.


Outra novidade é a participação do FICASC em Portugal.  O evento será presencial de 18 a 23 de outubro na Ilha de São Miguel localizada no arquipélago dos Açores. Além disso, em parceria com o Centro Cultural de Carnide - Lisboa, o FICASC chega a capital portuguesa nos dias 21, 22 e 23 de outubro. Mantendo, portanto, seu compromisso em compartilhar arte, cultura e informação.

Segundo Doty Luz, diretor do FICASC, “nossa intenção é difundir mundialmente o cinema ambiental diante do preocupante cenário, além de divulgar o potente cinema brasileiro no continente europeu”.

O FICASC, alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), busca levar conhecimento e entretenimento a todo público, proporcionando reflexão sobre assuntos socioambientais de extrema importância através da exibição de filmes nacionais e internacionais, distribuídos entre curtas, médias e longas metragens.

Outras informações:

FILMES DESTAQUE

3º FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA AMBIENTAL DA SERRA CATARINENSE

Por onde anda Makunaíma? (Direção: Rodrigo Sellós)

Mostra: Pindorama

Sinopse: faz um resgate histórico e cultural daquele que é o personagem ficcional mais identificado com um certo jeito de ser brasileiro.

Pureza: Malungo (Direção: Renato Barbieri)

Sinopse: Filme inspirado em episódios reais, conta a história de uma mãe, Pureza, que sai em busca de seu filho, Abel, desaparecido após partir para o garimpo na Amazônia.

Mostra: Malungo

Mamapara: (Direção: Alberto Flores Vilca)

Mostra: Latina

Sinopse: No altiplano peruano, Honorata Vilca, uma senhora analfabeta de ascendência quíchua, mora com seu cão e se dedica à venda de doces. Quando começa a estação das chuvas, ela relata passagens de sua vida, até que, em uma tarde, algo fatal acontece que parece fazer o próprio céu chorar.

Sobre o Festival em 2021

O FICASC também levará ao Arquipélago dos Açores, na Ilha de São Miguel, em Portugal, uma programação exclusiva. Em parceria com a Rede Primeiro Plano, Cinema Sem Conflitos e Casa do Povo de Vila Franco do Campo,  que desenvolve atividades sociais, culturais e recreativas, alunos de escolas públicas e a comunidade local da ilha  terão sessões de cinema gratuitas entre 18 e 23 de outubro.

Processo de Curadoria

Desde a sua concepção, o Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra Catarinense acompanha diversos festivais de cinema do mundo em busca de temas e títulos que dialoguem com a proposta socioambiental, independente de seus formatos.

Nossos curadores empenham-se diariamente nessa busca, com o objetivo de proporcionar ao público do festival uma programação diversa e de alta qualidade artística. Em 2021, o FICASC também abriu inscrições para que diretoras (es) e produtoras (es) de cinema pudessem enviar seus trabalhos. As inscrições encerraram em fevereiro e contabilizaram mais de 1600 filmes.

Mostras Não Competitivas

A decisão de não termos premiação leva em conta nosso entendimento de que as desigualdades econômicas, políticas e sociais impactam na produção audiovisual. Assim, optamos por direcionar nossos esforços no sentido de divulgação e difusão de produções preocupadas com o bem comum e com a preservação da vida em suas mais variadas formas, ao invés de classificá-las como melhores ou piores. Acreditamos que todas as obras são relevantes, todos os contextos são importantes, e devem ter espaços de divulgação garantidos.

Inclusão Social

Em nossa primeira edição, tivemos como foco principal a exibição de filmes em escolas públicas, cientes de que este setor tende a ter menor acesso a cultura, a arte e a discussões relativas ao meio ambiente e sociedade. Também incluímos em nossa programação filmes com áudio-descrição e legendagem, buscando alcançar também portadores de deficiência visual e auditiva. Oferecemos ainda, sessões para idosos e moradores em situação de rua.

Nesta edição, devido ao cenário imposto pela Pandemia de Covid-19, nossa programação não será presencial, mas seguirá sendo inclusiva. Continuaremos tendo filmes com áudio - descrição e legenda,  e ofereceremos, principalmente às escolas públicas, títulos com propostas pedagógicas que possam auxiliar os professores na recuperação do ano letivo.

O FICASC e os ODS da ONU

Em 2015, a Organização das Nações Unidas (ONU) lançou uma agenda com 17 objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para serem implementados até 2030 por todos os países do mundo. Reconhecendo a importância desses objetivos, o FICASC busca, desde a primeira edição, promover ações em acordo com os ODS. Em 2019, cumprimos quatro objetivos: Educação de Qualidade, Redução das Desigualdades, Cidades e Comunidades Sustentáveis e Ação Contra a Mudança Global do Clima. Em 2020, além dos já citados, abraçaremos também o que trata da seguridade de padrões de produção e de consumo sustentáveis.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog