Lages e outras cidades de Santa Catarina registraram atos contra o presidente Jair Bolsonaro

Manifestações foram realizadas ao longo deste sábado (3) e pediam também a vacinação para todos e aumento do auxílio emergencial para R$ 600. 

Do LD com agências de notícias*

Manifestação em Lages foi realizada na manhã deste sábado (3). (Foto: DIVULGAÇÃO)

LAGES — O sábado (3) foi marcado por mais um dia de manifestações contra o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em mais de 300 cidades do país. Em Santa Catarina ocorreram atos em 18 cidades, entre elas, Florianópolis, Joinville, Blumenau, Jaraguá do Sul, Tubarão, Chapecó e Lages. Em todos os manifestos, a maioria dos participantes utilizavam máscara, porém o distanciamento social em alguns momentos não foi respeitado. 


Em Lages, os manifestantes se reuniram na praça João Costa (calçadão), na manhã deste sábado (3), portando cartazes e faixas com críticas ao presidente, pedindo o seu impeachment, e com pedidos de vacina e comida no prato de todos e a volta do pagamento de R$ 600 no auxílio emergencial. Com concentração no calçadão, os manifestantes se deslocaram pela rua Nereu Ramos até a praça Vidal Ramos Sênior, ao lado do terminal urbano, onde o ato foi encerrado. 

Na capital Florianópolis, a manifestação se concentrou na praça Tancredo Neves e depois percorreram em caminhada pelas ruas do centro da cidade com faixas pedindo o impeachment do presidente e vacinação para todos. 



Manifestação na praça Tancredo Neves, em Florianópolis. (Foto: PM / DIVULGAÇÃO)

Já na cidade polo do Vale do Itajaí, Blumenau, os protestos provocaram o fechamento da rua XV de Novembro, uma das principais vias do centro da cidade, com os manifestantes se concentrando em frente ao Teatro Carlos Gomes. 

Em Joinville, no Norte do Estado, a manifestação reuniu cerca de 600 participantes na praça da Bandeira, posteriormente percorrendo as ruas do centro da cidade. Faixas e cartazes pediam a saída do presidente. 

No Oeste do Estado, em Chapecó, que há uma semana teve a motociata com a presença do presidente Jair Bolsonaro, registrou neste fim de semana, um ato contra o presidente. Os manifestantes se reuniram na escadaria da Igreja Santo Antônio, no Centro, e caminharam pela avenida Getúlio Vargas. 

Em Criciúma, no Sul do Estado, as manifestações se concentraram na praça Santa Luzia. Manifestantes portavam bandeiras e deixaram o microfone aberto para as lideranças participarem. Em outro município da região, Tubarão, manifestantes pregaram cruzes e caminharam pela cidade. 

Manifestação em Tubarão, no Sul do Estado. (Foto: SERGIO SOUZA JUNIOR / DIVULGAÇÃO)

Manifestações pelo país

Atos ocorreram em 25 estados e no Distrito Federal, sendo que as maiores concentrações ocorreram nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e Recife.

No Rio de Janeiro, a manifestação ocorreu pela manhã, com concentração no Monumento à Zumbi, próximo ao sambódromo, na Avenida Presidente Vargas, de onde saíram em passeata até a Cinelândia. 

Na capital pernambucana, a manifestação começou no centro da cidade. O ato, promovido por entidades ligadas a movimentos sociais e estudantis, sindicatos e partidos políticos, pedia mais vacinas e testes para detecção da Covid-19. A manifestação se concentrou na praça do Derby, e depois em caminhada percorreram até a avenida Conde da Boa Vista. 

Em São Paulo, a manifestação ainda ocorria no início da noite deste sábado, fechando os dois lados da Avenida Paulista, no trecho em frente ao Museu de Arte de São Paulo (MASP). Com cartazes e faixas, manifestantes pedem a saída do presidente Jair Bolsonaro, reivindicam mais vacinas e se posicionam contra o voto impresso. Cerca de 600 policiais foram mobilizados para garantir a segurança da manifestação. 

Já na capital federal, o ato começou na tarde deste sábado, em frente ao Museu Nacional. 

*Com informações de outras cidades dos portais NSC Total e NDMais e Agência Brasil 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog