Após uma semana marcada por fenômenos ligados ao frio, você sabe qual a diferença entre eles, tais como a neve ou a chuva congelante? Saiba quais são elas

Meteorologista da Epagri/Ciram, órgão oficial de meteorologia do Governo do Estado, explica quais as diferenças entre fenômenos como a neve, chuva congelada, sincelo e a geada. 

Do LD

Geada em Urupema. (Foto: MAURÍCIO SANTOS / LD)

LAGES — A semana que está se encerrando foi marcada pelas baixas temperaturas em praticamente todo o Estado, cada região com sua particularidade, mas a Serra Catarinense se destacou com um misto de vários fenômenos ligados ao frio sendo registrados ao longo dos dias que se passaram. Teve neve, sincelo, chuva congelada e geada. Mas você sabe quais são as diferenças entre elas? A meteorologista da Epagri/Ciram, Gilsânia Cruz, explica quais são essas diferenças e como elas ocorrem, confira abaixo: 

Neve 

Neve em Urupema na última quarta-feira (30). (Foto: REPRODUÇÃO)


Registrada por três dias consecutivas em cidades da Serra Catarinense como Urupema, São Joaquim, Bom Jardim da Serra e Urubici, além de Água Doce, no Meio Oeste, a neve é a precipitação de cristais de gelo translúcidos e brancos, formados pelo congelamento do vapor d'água suspenso na atmosfera. "Esses cristais tem uma forma bem característica, em geral hexagonal, e complexamente ramificados", explica Gilsânia. 


Chuva congelada

Em Lages, e em outras diversas cidades da Serra, Meio Oeste e Oeste catarinense, ocorreu um fenômeno que muitas pessoas até confundem achando que é a neve, mas trata-se da chuva congelada. Ela é normalmente o fenômeno que antecede a precipitação de neve e é semelhante a um granizo pequeno, que cai e salta, fazendo até barulho, às vezes. O formato do "gelinho" que cai é diferente da neve. 


Chuva congelante

A diferença entre a chuva congelada e a chuva congelante é a forma como a precipitação chega ao solo. "Enquanto a chuva congelada chega, normalmente, em estado sólido, a chuva congelante é a chuva que descongela na atmosfera, mas volta a congelar assim que toca o solo", diz a meteorologista. 

Neve granular

É menor do que a neve tradicional e é formada por "grãos" muito pequenos, com diâmetro geralmente inferior a 1 milímetro. Pelo tamanho, esses grão normalmente são levados pelo vento e, por isso, dão a impressão de chuva. 

Geada branca

Esse é um dos principais fenômenos que ocorrem ao longo do outono e do inverno e é registrada em várias cidades da Serra, Meio Oeste, Oeste, Vale do Itajaí, e em algumas oportunidades até mesmo na parte litorânea. Ela se forma quando as gotas de orvalho congelam em temperaturas baixas inferiores a 4ºC, quanto menor a temperatura, mais intensa ela ocorre, mas precisa ainda combinar a temperatura baixa, ausência de nuvens e baixa umidade do ar. 

Geada negra

Diferentemente da geada branca, na qual ela ocorre durante a noite, a geada negra ela pode ocorrer a qualquer hora do dia, e é muito mais prejudicial para a agricultura, pois congela a parte interna das plantas, queimando a seiva. É formada pela temperatura baixa aliada com o ar seco e vento moderado a forte. 

Sincelo 

Sincelo no Morro das Antenas, em Urupema. (Foto: DIVULGAÇÃO)

É um fenômeno associado a dias com nevoeiro, quando a temperatura varia de -2ºC a -8ºC. Ele resulta do congelamento das gotículas de água ao tocar a superfície, formando cristais de gelo. É mais fino que a geada. "No Brasil, a ocorrência do sincelo é incomum. Ele é mais observado em Santa Catarina, nos municípios de Urubici, Urupema e São Joaquim", destaca a meteorologista. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog