Santa Catarina estuda compra direta de vacinas para agilizar imunização no Estado

O governador Carlos Moisés determinou o início das tratativas para a compra direta de vacinas contra a Covid-19 do Instituto Butantan, em São Paulo. 

Da SECOM

Foto: RICARDO WOLFFENBÜTTEL / SECOM

FLORIANÓPOLISO governador Carlos Moisés determinou o início de tratativas para a compra direta de vacinas contra a Covid-19 do Instituto Butantan, em São Paulo. A expectativa do governo catarinense é viabilizar a aquisição de doses suficientes para atender à necessidade do Estado.


Por ordem do governador, R$ 300 milhões estão reservados exclusivamente para a compra de vacinas assim que a transação se torne possível. Atualmente, a prerrogativa de aquisição das doses é do Governo Federal.


O secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, reafirmou o compromisso com Plano Nacional de Imunização (PNI):

“Santa Catarina segue alinhada ao Governo Federal na questão do Plano Nacional de Imunização e da necessidade da União em comprar insumos. Neste caso específico, como se trata de uma produção nacional e existe essa possibilidade de aquisição, manifestamos nosso interesse”, disse o secretário.

O secretário destacou ainda que a Superintendência de Vigilância Epidemiológica já está providenciando um estudo para essa aquisição da vacina.

“Já estamos realizando esse cálculo de quantitativo de doses para que possamos, assim, imunizar toda a população catarinense apta a receber a vacina a partir da aquisição”, afirmou.

Santa Catarina vem ampliando o ritmo de imunização da população. Na comparação dos últimos sete dias, o aumento foi de 75%. Já foram aplicadas cerca de 2,5 milhões de vacinas no Estado, entre primeira e segunda dose.

Comentários