O deslumbramento do efeito do frio nas paisagens serranas no amanhecer mais gelado da Serra e do Brasil até agora, em 2021

Serranos acordaram "quebrando geada", mas as "pinturas" a céu aberto fizeram todo esforço valer a pena. 

Por DANIELE MENDES DE MELO da ASCOM PML
Lages/SC

Foto: GIOVANI FORNARI / DIVULGAÇÃO

Um magnetismo visto em poucas regiões do planeta, um fenômeno com particularidades minúsculas e, ao mesmo tempo, grandiosas diante do poder da natureza. Ao hipnotizar os olhos de lageanos, serranos e turistas ao nascer do Sol nesta terça-feira (25 de maio) de outono, os cenários desenhados pelos elementos da meteorologia na menor temperatura registrada em 2021 na Serra de Santa Catarina e no Brasil, também surpreenderam as crianças encapotadas para se protegerem do rigor do frio a caminho da escola, na cidade e no interior: Calças grossas e meias de lã compridas, blusas de lã e jaquetas longas, ponchos e palas de franja, toucas, luvas e cachecóis, - aparecendo somente os olhos e aquela fumacinha do choque térmico na boca - enfim, uma verdadeira camada espessa de artifícios para aquecer o corpo. O público em geral, leigo no aspecto misterioso do tempo, não compreende direito as ações do ar, as intervenções na atmosfera, o aquecimento global, a vaporização da água no solo em direção as nuvens para um dia cair de novo, a lindeza da neve, mas que tudo é gracioso, mágico e esplendoroso, isso é, ninguém pode negar.

Chaminés dos fogões à lenha em plena atividade nas casas de madeira, provocando névoas que se emendam nos céus dos municípios mais gelados. Pinhão na chapa, café quente no bule, passado pelo coador de pano, quitutes recém saídos do forno para garantir a energia para mais um dia de trabalho no campo, pão caseiro, cuca e bijajica e, é claro, o mate fervendo na cuia, cevado logo nas primeiras horas do dia. Nos galpões, o gado aguarda a ordenha pelas mãos ágeis do campeiro experiente. Do lado de fora, o agricultor se engendra para a lida diária e ininterrupta na lavoura.

Nos hotéis, hotéis fazenda, pousadas e resorts com ocupações satisfatórias e permitidas em tempos de prevenção à expansão da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), em cafeterias, chocolaterias, pubs, restaurantes e pontos turísticos, como a Cascata Véu de Noiva, em Urubici, Cascata que Congela, em Urupema, e nos campos cobertos pelo tapete branco da geada e suas araucárias monumentais, os artigos típicos esculpidos pela natureza e os itens de gastronomia, turismo e lazer, abrilhantam esta época charmosa e elegante com as atenções iluminadas à região serrana. O congelamento do orvalho e das águas em curso é um espetáculo à parte, os cristais mais avivados. Não há selfies e posts suficientes nas redes sociais para refletir tamanha empolgação e isso que o inverno, no calendário, ainda nem começou, no dia 21 de junho.

Painel, a cerca de 30 quilômetros de Lages, liderou o ranking das temperaturas baixas em Santa Catarina nesta terça-feira (25 de maio), expostas pela Climaterra, com -8,1ºC, seguidos por Vargem Bonita, no Oeste, com -8ºC; Bom Jardim da Serra, com registro de -6,6ºC; Água Doce, no Oeste, com -6,1ºC; São Joaquim, com -6ºC; Fraiburgo, com -5,6ºC; Urupema, com -5,1ºC; Lebon Régis, com -4,8 C; Urubici, com -4ºC, e -3,5ºC em Ponte Alta do Norte, os tops 10. O recorde anterior era de Bom Jardim da Serra, com -7,7º C.

Em Lages, maior município da Serra em população e o maior de Santa Catarina em extensão territorial, o termômetro marcou a 35ª menor temperatura da data, com 0,1ºC nas primeiras horas depois que o Sol nasceu, com sensação ainda menor durante noite e madrugada. Este 0,1ºC foi a mais baixa do ano no município até então, com a noite mais fria de 2021. Em bairros situados em áreas mais baixas em relação às demais, houve entre -2º C e -3º C. Por volta das 7h, a temperatura era de 2ºC em Lages. A Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Turismo, ligada diretamente à prefeitura de Lages, incentiva permanentemente o empreendedorismo de negócios em turismo e a valorização das riquezas naturais.

Outras cidades apontaram temperaturas despencadas, a exemplo da capital Florianópolis, 5,3º C; General Carneiro, no Paraná, com -3,3ºC; Vacaria, com -2,8ºC; Iguatemi, Mato Grosso do Sul, com seus 4,6ºC; Alto Taquari, Mato Grosso, com 14ºC; Manoel Urbano, no Acre, com 16,7ºC, e Vilhena, em Rondônia, com 18,2ºC, considerado extremamente frio para esta parte do país, já que está localizada no Norte e faz divisa com os Estados Acre, Amazonas e Mato Grosso e fronteira com a Bolívia. Na segunda-feira (24 de maio) foi registrada geada no Mato Grosso do Sul, um dos Estados mais acalorados do Brasil.

De acordo com a análise do profissional, o mês de maio está mais frio e seco do que o normal, e o inverno começou mais cedo, Normalmente, em Lages inicia na segunda quinzena de maio, porém, desta vez começou na primeira. No topo da Serra Catarinense o inverno já deu as caras no começo do final de abril. O motivo? Ronaldo Coutinho explica: “Por acusa do fenômeno La Niña, favorecendo o frio mais cedo e o frio mais tarde, portanto, esticando o prolongamento da estação. O La Niña significa que na região equatorial do Oceano Pacífico a água fica mais fria do que o normal, provocando impactos no tempo em várias partes do mundo.”

Armados para o frio até os dentes?

O engenheiro agrônomo da Climaterra, Ronaldo Coutinho, adianta que para esta quarta-feira (26 de maio), o evento climático deverá praticamente se repetir na Serra, com temperaturas semelhantes às desta terça. “A previsão para amanhã (quarta) é de um dia bem parecido com o de hoje (terça-feira). Nas baixadas vai ser similar, talvez com alguns pontos ainda mais frios. Nas baixadas da Serra deverá haver temperaturas entre -4ºC e -7ºC, chegando até -8ºC. Em áreas de morros e topos ficará mais quente, acima de zero.”

Geada ao amanhecer e Sol com aumento de nuvens ao longo do dia de quarta em Lages, temperatura mínima de 2ºC e máxima de 18ºC e rajadas de vento a 35 quilômetros por hora, conforme o Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina (Ciram), da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri).

Para quinta-feira (27), temperaturas oscilantes entre 6ºC e 19ºC em Lages; de 9ºC a 18ºC na sexta-feira (28), com previsão de chuva somente a partir deste dia (33 milímetros de acúmulo pluviométrico), e final de semana com tempo mais ameno, com temperaturas variantes entre 10ºC e 17ºC no sábado (29 de maio) e chuva no início do dia e, pelo que informa o Climatempo, no domingo (30), penúltimo dia do mês, as temperaturas caem outra vez, de 0ºC a 11ºC, um dia de Sol, com geada ao amanhecer e as nuvens aumentam no decorrer da tarde.

Na segunda-feira (31 de maio), geada e temperaturas entre -1ºC e 10ºC. Entre os dias 27 e 29 não há previsão de novas geadas para Lages. No primeiro dia de junho (terça-feira), temperaturas entre 1ºC e 11ºC, com geada, dia de Sol e sem chuva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog