Morre aos 41 anos, o prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas

Ele estava internado desde o dia 2 de maio em hospital de São Paulo para tratar do câncer que enfrentava desde 2019.

Do LD
Lages/SC

Foto: DIVULGAÇÃO

Morreu às 08h20 da manhã deste domingo, 16, o prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas Lopes, aos 41 anos, vítima de complicações provocadas por um câncer na região de transição esôfago gástrica, após ficar internado no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, desde o dia 2 de maio. A doença havia sido diagnosticada em 2019. 

Em abril, Covas ficou internado por 12 dias no Hospital Sírio-Libanês, quando exames constataram que os tumores, originados no trato digestivo, haviam se alastrado para o fígado e também para os ossos. Teve alta no dia 27, mas voltou a ser internado em 2 de maio. Na última sexta-feira, 14, à noite, um boletim médico afirmou que o quadro clínico era irreversível. 

O corpo de Bruno Covas será velado em uma cerimônia breve e restrita a familiares e amigos no hall monumental do 3º andar do Edifício Matarazzo, na sede da prefeitura de São Paulo, por volta das 13h. Após, sairá em carro aberto em um cortejo até a praça Oswaldo Cruz, passando pela Avenida Paulista, na sequência segue até Santos, no Litoral, a cerca de 90 quilômetros da capital onde será sepultado no Cemitério do Paquetá, no mesmo local onde está sepultado seu avô, Mário Covas. 

Trajetória

Nascido em 7 de abril de 1980, em Santos, no Litoral paulista, Bruno Covas Lopes era filho de Renata Covas Lopes e Pedro Lopes, tinha como maior referência o seu avô, Mário Covas (1930-2001), que foi prefeito, senador e governador de São Paulo, e cofundador do PSDB, partido que Bruno Covas também era filiado. 

Na adolescência, deixou Santos e se mudou para São Paulo, para estudar em um colégio tradicional da capital paulista. Posteriormente, na faculdade cursou economia na PUC e direito na USP, ambos escolhidos como preparo para a vida pública. 

Na vida política, concorreu ao primeiro cargo, de vice-prefeito de Santos, em 2004, na chapa encabeçada por Raul Christiano, mas acabou perdendo. Mais tarde, em 2006, se candidatou a deputado estadual, sendo eleito com mais de 122 mil votos, e reeleito em 2010, com 239 mil, maior votação no Estado. 

Nas eleições de 2014, foi o quarto deputado federal mais votado de São Paulo, escolhido por 352 mil eleitores. De 2011 a 2014, foi secretário do Meio Ambiente, na gestão de Geraldo Alckmin (PSDB) no governo do Estado. 

Em 2016, foi candidato a vice-prefeito de São Paulo na chapa encabeçada por João Dória (PSDB). Ele assumiu a prefeitura em 2018, quando João Dória se licenciou para candidatar e posteriormente se eleger governador do Estado de São Paulo.

Já nas eleições do ano passado, Bruno Covas buscou a reeleição à prefeitura de São Paulo, onde acabou ganhando no segundo turno em uma disputa contra Guilherme Boulos (PSOL). 

Bruno Covas, deixa o filho Tomás, de 15 anos. Ele foi casado por dez anos com sua ex-colega de faculdade, Karen Ichiba, de quem se separou em 2014. 

Repercussão

Políticos, personalidades e até mesmo clubes manifestarem pesar pela morte do prefeito Bruno Covas, confira abaixo a repercussão. 








Comentários