Catarinense morre após salto de base jump no Rio de Janeiro

No momento do voo, ventava forte na região de São Conrado, ele acabou batendo em um prédio e caindo em uma auto-estrada. 

Do LD*
Lages/SC

Vídeo mostra momento da queda de catarinense na Zona Sul do Rio. (Foto: REPRODUÇÃO / GLOBO NEWS)

Um catarinense de 36 anos, morreu na tarde deste sábado (22), após saltar de base jump, bater em um prédio e cair no meio da pista de uma auto-estrada em São Conrado, na zona Sul do Rio de Janeiro. As informações são do G1

De acordo com a Polícia Civil, a vítima identificada como sendo Eduardo Giovani Carvalho da Silva, de 36 anos, natural de Joinville, no Norte de Santa Catarina, veio passar o final de semana na capital fluminense para saltar da Pedra da Gávea. Ele saltou juntamente com um amigo que pousou no canteiro central e sobreviveu. 

O Corpo de Bombeiros do batalhão da Gávea chegou a ser acionado, por volta das 12h05, e quando chegaram, Eduardo já se encontrava sem vida, mas a causa da morte não foi possível ainda identificar se foi pela queda ou se ele chegou a ser atingido por algum veículo. 

O que é o Base Jump?

Base jump é um esporte que a pessoa pula de paraquedas de um ponto fixo, como penhascos, prédios altos, antenas de transmissão e pontes. 

A modalidade é considerada de alto risco. Isso porque é praticada a alturas médias de 80 a 100 metros e não utiliza equipamento reserva, como em um salto de paraquedas convencional a partir de uma aeronave, já que não haveria tempo para a abertura de um substituto.

Representantes do Clube São Conrado de Voo Livre afirmaram ao G1, que a rampa da Pedra Bonita, também na zona Sul, estava fechada porque as condições de vento não estavam favoráveis. 

Os praticantes de base jump, portanto, decidiram saltar de outro ponto por conta própria, mas foram atingidos por uma rajada de vento. Um deles conseguiu pousar no canteiro central da avenida, e outro bateu em um prédio e caiu. 

A família de Eduardo já foi comunicada e o corpo deve ser liberado nas próximas horas. 

*Com informações do G1 Rio

Comentários