Santa Catarina alcança o maior valor de produção agropecuária da história

Os números fazem parte da 41ª edição da Síntese Anual da Agricultura de Santa Catarina, publicação da Epagri/Cepa lançada em evento virtual nesta quarta-feira (14). 

Por GISELE DIAS da EPAGRI
Florianópolis/SC

Foto: RICARDO WOLFFENBÜTTEL / SECOM

Em 2020, o Valor de Produção Agropecuária (VPA) de Santa Catarina ficou em R$ 40,9 bilhões, o maior da história, superando o recorde anterior, alcançado em 2017. No ano passado, a agropecuária catarinense também bateu a melhor marca em relação à participação no valor de exportações do Estado: 70,2%.


Estes e outros números fazem parte da 41ª edição da Síntese Anual da Agricultura de Santa Catarina, publicação da Epagri/Cepa lançada em evento virtual nesta quarta-feira, 14. Na ocasião também foi lançado o livro Indicadores de Desempenho da Agropecuária e do Agronegócio de Santa Catarina 2019/2020. As duas publicações trazem os resultados do mais recente ciclo agrícola do Estado.

“O agronegócio é um dos motores mais importantes da nossa economia. Os números refletem essa grandiosidade e mostram que o setor se mantém forte e ativo, no mercado interno e também internacional, graças ao empreendedorismo, à força dos trabalhadores do campo e à qualidade dos nossos produtos”, afirma a governadora Daniela Reinehr.

O secretário da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Altair Silva, destaca que Santa Catarina tem um conjunto de líderes com vocação natural para o agro, fazendo do estado um sucesso no setor, demonstrado nos números das publicações da Epagri/Cepa. “Temos trabalhado fortemente com municípios e Epagri para impulsionar os fatores de produção do Estado, como estradas rurais de qualidade, melhorias no fornecimento de energia elétrica e de água e acesso à internet”, afirma.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A presidente da Epagri, Edilene Steinwandter, lembra que os resultados positivos se deram apesar das adversidades que o agronegócio catarinense enfrentou na safra 2019/20. O clima não ajudou, e estiagem, granizo e até tornados afetaram cultivos pelo Estado. A pandemia foi outro empecilho que agricultores e profissionais da Epagri precisaram contornar para seguir garantindo segurança alimentar para a população brasileira.

VPA

O VPA de R$40,9 bilhões alcançado pelo Estado em 2020 é 21,1% superior ao de 2019, quando ficou em R$33,8 bilhões. Entre 2018 e o ano seguinte, o índice já havia registrado variação positiva de 8,7%. O aumento nos preços recebidos pelos produtores foi a principal razão do crescimento do VPA estadual nos dois períodos, com destaque para suínos, bovinos, leite e grãos.

Para alcançar o VPA histórico em 2020, Santa Catarina contou principalmente com a produção de suínos, que participou com 23% do total, de frangos (17,5%) e de leite (11,9%). A Síntese aponta que nos últimos anos houve grandes variações na composição do VPA catarinense, com ampliação da participação de suínos, bovinos, soja e leite e perda de participação dos frangos e do tabaco.

Exportações

Em 2020 o agronegócio catarinense exportou US$5,7 bilhões, valor 6,7% menor do que em 2019 (US$6,1 bilhões). Apesar da redução no valor total das suas exportações, o setor agropecuário seguiu a trajetória de aumentar sua participação nas exportações de Santa Catarina, chegando a 2020 como responsável por mais de 70% do valor total exportado pelo Estado.

Mesmo com a expressiva queda de 2019 para 2020, a carne de frango segue como principal produto das exportações do agronegócio de Santa Catarina, representando 26,3% do valor exportado pelo setor. 

Confira abaixo o desempenho de algumas das principais cadeias produtivas do Estado na safra 2019/20 e algumas estimativas para o período agrícola 2020/21.

Alho

Santa Catarina é o terceiro maior produtor de alho do país, respondendo por 11,78% da produção nacional. Na safra 2019/20, a produção catarinense foi de 16,4 mil toneladas, redução de 7,34% em relação ao ciclo anterior. A safra 2019/20 foi afetada pela ocorrência de estiagem, mas mesmo assim o volume produzido ficou dentro da média dos últimos anos, que tem oscilado entre 15 e 20 mil toneladas.

A produção catarinense no ciclo mais recente foi de boa qualidade comercial, apesar dos bulbos de menor calibre. Assim, os produtores de alho do Estado obtiveram bons resultados econômicos na safra 2019/20. A safra 20/21 está sendo colhida agora, com estimativa de produção de pouco mais de 15,5 mil toneladas. Estiagem e granizo provocaram perdas.

Arroz

A produção catarinense de arroz é a segunda maior do país, chegando na safra 2019/20 a 1.254.139 toneladas, o que representa 11% do total nacional. A produtividade média foi de 8,4 toneladas por hectare, o que representa um incremento de aproximadamente 9% em relação ao período agrícola anterior.

O arroz irrigado é produzido em 93 municípios catarinenses, concentrados no Litoral Sul (61,9%), Médio/Baixo Vale do Itajaí e Litoral Norte (25,2%), Alto Vale do Itajaí (9,04%) e Litoral Centro (3,9%). 

A alta do dólar fez da exportação uma boa alternativa para os rizicultores catarinenses em 2020. De janeiro a outubro do ano passado Santa Catarina exportou 47,9 mil toneladas, contra 6,1 mil toneladas exportadas em 2019. 

Cebola

Santa Catarina é o maior produtor nacional de cebola, cultivada basicamente por agricultores familiares, em pequenas áreas. Na safra 2019, a produção bruta colhida foi de 528.440 mil toneladas. A colheita da safra 2020/21 está ocorrendo normalmente, mas perdas causadas pela estiagem e outros eventos climáticos devem derrubar a produção em 25% em relação à safra anterior, finalizando em volume inferior a 400 mil toneladas.

Feijão

A cultura do feijão foi menos produtiva na safra catarinense 2019/20, com 101.295 toneladas. Problemas climáticos, como estiagem próxima da época de colheita da primeira safra e durante toda segunda safra, reduziram o potencial produtivo das lavouras, acarretando num volume cerca de 2% menor do que na safra anterior. 

Para a safra 2020/21, que está a campo, a expectativa é de aumento da produção em Santa Catarina, com estimativa de alcançar 105.117t. As últimas nove safras catarinenses de feijão enfrentaram declínio sistemático da área plantada, com redução de aproximadamente 33%. Na safra catarinense 2019/20, mais uma vez observou-se queda, desta vez de 3%.

Milho

Na safra 2019/20 Santa Catarina produziu 2.866.905 toneladas de milho. Para a safra 2020/21 a estimativa de produção, que era de 2,3 milhões de toneladas em dezembro, deve se reduzir em função da estiagem e da incidência da cigarrinha-do-milho no início de 2021.

A Epagri/Cepa estima que Santa Catarina precisará adquirir mais de 5 milhões de toneladas de milho em 2021.

Em 2020, a demanda total de milho grão em SC chegou a 7,37 milhões de toneladas, um incremento de 2% em relação ao ano anterior. Com a oferta de 2,58 milhões de toneladas, houve um deficit de 4,36 milhões de toneladas, atendido pelas importações interestaduais e de países como Paraguai e Argentina.

Soja  

A Epagri/Cepa estima que as lavouras catarinenses produziram 2,24 milhões de toneladas de soja em 2020. Para a safra 2020/2021 a expectativa é de produzir 2.308.070t. O crescimento é impulsionado pelo aumento da área plantada.

Entre as safras de 2012/13 e 2019/20, foram incorporados cerca de 167 mil hectares para a produção da oleaginosa e a elevação da produção chegou próximo de um milhão de toneladas no período. Na safra 2020/21 o cultivo da soja deve ocupar uma área próxima a 700 mil hectares no Estado.

Tabaco 

No território catarinense, a estimativa para a área plantada de tabaco na safra 2020/21 praticamente se manteve em relação à safra anterior, com apenas 0,4% de aumento. Em sentido oposto, estima-se uma redução de 5,6% na safra em relação à anterior em decorrência de eventos climáticos, como estiagem e granizo.

Entre 2013 e 2020 Santa Catarina observou queda da área plantada (-3,7% ao ano) e da produção (-2,4% ao ano).

Tomate

Segundo estimativas da Epagri/Cepa, Santa Catarina deve produzir 149,4 mil toneladas de tomate na safra 2020/21, contra 139,9 mil toneladas produzidas em 2019/20.

Santa Catarina é o sétimo maior produtor de tomate no Brasil. Contribuiu, segundo dados da PAM/IBGE de 2019, com 4,5% da área total plantada e 4% da produção total nacional. Os municípios de Caçador e Lebon Régis são os maiores produtores do Estado.

Trigo

Na safra 2019/20 Santa Catarina produziu 154.774t e para este período agrícola espera-se 188.490t. No ciclo agrícola 2019/20, foi cultivada no Estado uma área de aproximadamente 50,8 mil hectares, o que representa uma redução de 5,8% em relação à safra anterior. Mesmo com redução da área, a produção estadual cresceu 13,8%, resultado do incremento de 20,8% na produtividade média das lavouras. Para a safra 2020/21, é esperado um plantio de 64,5 mil hectares, o que representaria um crescimento de 26,9% em relação a 2019/20.

Uva e vinho

Na safra 2019/20 Santa Catarina produziu 154.774t e para este período agrícola espera-se 188.490t. No ciclo agrícola 2019/20, foi cultivada no Estado uma área de aproximadamente 50,8 mil hectares, o que representa uma redução de 5,8% em relação à safra anterior. Mesmo com redução da área, a produção estadual cresceu 13,8%, resultado do incremento de 20,8% na produtividade média das lavouras. Para a safra 2020/21, é esperado um plantio de 64,5 mil hectares, o que representaria um crescimento de 26,9% em relação a 2019/20.

Carne bovina 

Segundo dados da Cidasc, em 31 de dezembro de 2020 o rebanho bovino catarinense era constituído por 4,51 milhões de cabeças, 3,91% abaixo da quantidade registrada no ano anterior. Dentre outros fatores, esse resultado tem relação com a significativa alta nos preços do boi gordo observada em 2020, o que estimulou o aumento no abate. No ano passado Santa Catarina abateu 827.794 cabeças de gado, contra 750.666 em 2019.

A mesorregião Oeste Catarinense (microrregiões de Chapecó, Joaçaba, São Miguel do Oeste, Xanxerê e Concórdia) foi responsável por 52,31% dos bovinos produzidos no ano de 2020, levando-se em consideração o abate inspecionado, o autoconsumo e o comércio interestadual. Quando são contabilizados somente os animais abatidos em estabelecimentos inspecionados, o Oeste Catarinense responde por 50,22%.

O preço de dezembro de 2020 pago aos pecuaristas catarinenses foi 27,17% superior ao registrado no mesmo mês do ano anterior. Na comparação com fevereiro de 2019, a diferença é de 66,72%.

Carne de frango

Em 2020, foram produzidos no Estado e destinados ao abate 848,31 milhões de frangos, segundo a Cidasc, alta de 0,7% em relação ao ano anterior. A mesorregião Oeste Catarinense foi responsável por 79,76% da produção catarinense em 2020, pequeno recuo em relação ao ano anterior, quando respondeu por 80,53%

Santa Catarina é o segundo maior exportador de carne de frango do país, tendo sido responsável por 25% das receitas brasileiras com esse produto em 2020. Por outro lado, ano passado a quantidade de carne de frango exportada pelo Estado caiu 24,05%, enquanto a variação das receitas foi de -32,17%.

Carne suína 

De acordo com os dados da Pesquisa Trimestral do Abate de Animais, em 2019 a produção catarinense atingiu 1,12 milhão de toneladas de carcaça, alta de 3,31% em relação ao registrado em 2018. Nos três primeiros trimestres de 2020, as variações foram ainda mais expressivas em relação ao mesmo período do ano anterior: aumento de 14,84% no número de animais abatidos e de 18,51% na produção de carcaça. Até a finalização desta publicação, o IBGE ainda não havia divulgado os dados do 4º trimestre.

Em 2020, 7.318 suinocultores catarinenses destinaram suínos para abate em estabelecimentos inspecionados, queda de 3% em relação ao ano anterior. Entre 2015 e 2020, o número de produtores caiu 15,57%, o que indica um processo de concentração em curso no setor, com produções cada vez maiores e um número decrescente de suinocultores. A mesorregião Oeste (microrregiões de Concórdia, Joaçaba, Chapecó, São Miguel do Oeste e Xanxerê) foi responsável por 79,40% dos animais produzidos em 2020.

Assim como observado no cenário nacional, as exportações catarinenses de carne suína também apresentaram crescimento significativo em 2020: foram embarcadas 523,39 mil toneladas, aumento de 25,63% em relação ao ano anterior, o que mantém Santa Catarina no topo do ranking de maiores exportadores da proteína do país. As receitas registraram incremento ainda mais expressivo: US$ 1,17 bilhão, alta de 35,30%. Tais resultados representam recordes históricos nas exportações de carne suína do estado, tanto em valor como em quantidade. Os bons resultados de 2020 devem-se, principalmente, ao crescimento dos embarques para a China. Em relação a 2019, as exportações para aquele país cresceram 70,32% em quantidade e 76,32% em valor.

Moluscos

A produção catarinense de moluscos na safra 2019 foi de 15.156t, valor 6,62% maior que no ano anterior. A produção do Estado segue crescendo desde 2018. O aumento em 2019 foi impulsionado pela produção de ostras, com crescimento de 29,5%, enquanto a produção de mexilhões teve incremento de 2,4% em 2019.

Um total de 485 produtores estiveram envolvidos no cultivo de moluscos em Santa Catarina em 2019.

O documento traz ainda informações completas sobre o desempenho da aquicultura e do setor florestal.

Confira aqui a íntegra da Síntese Anual da Agricultura de Santa Catarina e aqui a publicação Indicadores de Desempenho da Agropecuária e do Agronegócio de Santa Catarina.

Comentários