Escolas municipais se preparam para o retorno às aulas durante a pandemia

Será realizado um levantamento geral e diagnóstico da situação de cada estudante. Serão ouvidos os pais, que deverão informar se o aluno irá frequentar as aulas de forma presencial ou através das plataformas digitais. 

Por ALINE TIVES da ASCOM PML
Lages/SC

Arte: Greik Pacheco / ASCOM PML
Com foco na segurança da comunidade escolar com o retorno das aulas no ano letivo de 2021, em plena pandemia do novo coronavírus e sem previsões de quando todos os grupos de risco terão acesso à imunização, a Secretaria Municipal da Educação planeja ações e organiza as unidades escolares para receber as crianças e estudantes. A volta às aulas está marcada para o dia 18 de fevereiro, em todo o Sistema Municipal de Educação de Lages.


O retorno presencial dos alunos acontecerá seguindo as orientações dos Planos de Contingência que foram elaborados por todas as unidades escolares e aprovados pelo Comitê Municipal em 2020, respeitando sempre as determinações da legislação vigente, recomendações da União dos Dirigentes Municipal de Santa Catarina – Undime e ainda devendo ser rigorosamente seguidos todos os cuidados e regramentos sanitários estabelecidos pelos órgãos de saúde.

A partir desta semana equipes da Secretaria da Educação iniciam a limpeza e manutenção de cada escola para que esteja apta a receber os estudantes. Os gestores já se encontram cumprindo expediente nas unidades escolares organizando este processo e atendendo a comunidade, tirando eventuais dúvidas dos pais ou responsáveis, fazendo renovação de matrículas e outros encaminhamentos necessários.

Aulas irão acontecer de forma híbrida e por alternância

Neste ano as aulas irão acontecer de forma híbrida e em sistema de alternância de grupos, seguindo orientações do Ministério Público e do decreto do Governo do Estado que preconiza que as unidades escolares devem contar com limitação de 50% de sua capacidade.

Os professores irão atender aos alunos cujos pais permitirem que eles freqüentem as aulas de forma presencial e também serão atendidos estudantes que optarem por continuar utilizando as plataformas digitais e entregas de atividades nas escolas nos dias marcados, como aconteceu em 2020.

Será realizado um levantamento geral e diagnóstico da situação de cada estudante. Serão ouvidos os pais, que deverão informar se o aluno irá frequentar as aulas de forma presencial ou através do class room, que se trata de uma plataforma digital que possibilita que os alunos realizem suas atividades pedagógicas nas próprias residências. “Os pais deverão assinar um termo de responsabilidade sobre sua escolha. Cada escola terá seu próprio diagnóstico, pois precisamos nos precaver com questões como a alimentação e transporte escolar, além das medidas e regras sanitárias que deverão ser seguidas por todos dentro das escolas”, acrescenta Ivana.

Ceims também devem se adequar às novas regras

Este ano, excepcionalmente em decorrência da pandemia e com a expectativa de que seja uma situação temporária de curto prazo, os Centros de Educação Infantil Municipais (Ceims) precisarão atender às orientações e regras do decreto do Governo do Estado, limitando sua capacidade para 50% de ocupação em cada período.

As crianças passarão a serem atendidas por regime de alternância de grupos, assim como acontecerá no ensino fundamental e médio. “Os pais serão chamados pelos gestores das respectivas unidades escolares para que possam conversar e encontrar o melhor meio para que esta situação seja solucionada.

No intervalo entre os dois períodos será feita a higienização das salas para receber as novas turmas”, explica a secretária interina da Educação, Ivana Michaltchuck.

Outra preocupação é com relação às crianças e estudantes com deficiência que precisam dos serviços do Atendimento à Educação Especializada (AEE). O Município conta com 218 estudantes matriculados nesta situação, com laudos médicos que atestam que precisam de atividades especiais. “Geralmente elas têm dificuldades e limitações e contam com professores auxiliares, porém não sabemos se neste momento de pandemia os pais irão levá-los à escola normalmente, devido ao estado de saúde deles. Por isso precisamos ter um panorama de como esta situação irá ficar e organizar as atividades presenciais”, explica a secretária. 
Lages Diário

Comentários