Coronavírus: trabalho de fiscalização continua com foco na orientação da população

As vistorias, tanto pela Vigilância Sanitária quanto da Defesa Civil e Polícia Militar, estão sendo as de rotina, conforme a demanda e atendimento a denúncias, que podem ser feitas direto no 190, da PM, quanto no plantão da Defesa Civil, 199.
 
Por ALINE TIVES da ASCOM PML,
Lages/SC

Foto: Arquivo / ASCOM PML

Foram quase sete meses de trabalho intenso da Força de Segurança, composta pela Defesa Civil Municipal, Vigilância Sanitária, Diretoria de Trânsito, Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros com a realização de uma média de 40 mil vistorias e a emissão de cerca de duas mil notificações, com multas que variam entre R$ 354,00 a R$ 3.540,00, conforme a gravidade da infração.
 
O trabalho continua com foco na orientação da população. A cidade e região saíram do nível gravíssimo, representado na cor vermelha, para a classificação laranja (risco grave) e semanas depois para a cor amarela (risco alto). Nesta quinta-feira (15) o governo do Estado reclassificou a Serra Catarinense na cor laranja, que é o nível grave da pandemia. 
 
As vistorias, tanto pela Vigilância Sanitária quanto da Defesa Civil e Polícia Militar, estão sendo as de rotina, conforme a demanda e atendimento a denúncias, que podem ser feitas direto no número 190, da PM, quanto no plantão da Defesa Civil, 199. “Suspendemos as vistorias diárias e passamos a atuar conforme a demanda e, caso necessário, pedimos o apoio da Polícia Militar para intervir em denúncias graves. Acredito que se a situação piorar retomaremos ao mesmo trabalho que estava sendo feito antes”, declara o secretário executivo da Defesa Civil, Luiz Henrique de Souza.
 
Já a Vigilância Sanitária continua trabalhando, além das demandas do Covid-19, também com as vistorias de rotina, com fiscalizações todos os dias nos estabelecimentos, com solicitações de alvará, abertura de novas empresas e mudanças de endereço. Conforme as irregularidades são emitidos autos de infração tendo como consequência um processo administrativo, com prazo de 15 dias para o proprietário entrar com a defesa.
 
Durante a pandemia, a Vigilância Sanitária está trabalhando em parceria com o Centro de Referência da Saúde do Trabalhador (Cerest), com diretrizes da Promotoria do Trabalho. São realizadas vistorias em empresas, no atendimento às denúncias de irregularidades quanto aos protocolos de segurança sanitária devido ao novo Coronavírus. “Já fizemos visitas em empresa que nem mesmo o proprietário fazia o uso de máscara, numa situação que coloca em risco seus funcionários e clientes”, destaca a diretora de Vigilância em Saúde, Regina Souza.
Lages Diário

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enquete: participe e vote em quem você acha que será a rainha da Festa do Pinhão 2019

Lages a Nova Iorque com a Azul, a partir de junho

Internautas reagem a Mario Motta na bancada do ‘Jornal Nacional’