A meta é chegar a 2021 com cerca de 40% do lixo orgânico produzido na cidade sendo desviado do aterro sanitário, através da prática da compostagem caseira.

Por ALINE TIVES da ASCOM PML,
Lages/SC

📷 Toninho Vieira /  ASCOM PML

O projeto Lixo Orgânico Zero, realizado pela Prefeitura de Lages em parceria com o CAV/Udesc, foi premiado como trabalho destaque na categoria “conscientização” no Prêmio Lixo Zero. A solenidade aconteceu no dia 12 de dezembro, no Rio de Janeiro (capital). Idealizado pelo Instituto Lixo Zero Brasil e co-realizado pela ROUTE Brasil, o Prêmio tem por objetivo promover e disseminar os melhores projetos brasileiros que representam o empoderamento das atitudes sustentáveis em prol do planeta.

Ao todo, foram 25 projetos de todas as regiões do país premiados em diversas categorias, como educação, melhor produto, compostagem, melhor movimento social, entre outras. “Foi uma experiência muito interessante, pois estivemos três dias em contato com esse pessoal e percebemos o quanto as instituições vindas de várias partes do Brasil estão de olho no projeto lageano. O nosso programa é o único que aposta na conscientização da população como solução para resolver o problema e eliminar o lixo orgânico que é enviado para o aterro sanitário. A compostagem é feita de forma simples e barata, viável para qualquer família”, destaca o professor do departamento de agronomia do CAV, Germano Güitler, um dos idealizadores do projeto.

O projeto lageano conta com mais de 20 voluntários trabalhando nas ruas, instituições e escolas no intuito de promover a conscientização da população, ensinando como fazer a compostagem em casa e prestando orientações. “O objetivo é fazer com que os estudantes levem para suas casas o hábito de fazer a compostagem, disseminando a ideia aos familiares.

A meta é chegar a 2021 com cerca de 40% do lixo orgânico produzido na cidade sendo desviado do aterro sanitário, através da prática da compostagem caseira. “Em nenhum lugar está dando tão certo como em Lages. Estamos sendo referência nacional”, salienta Germano.

O movimento Lixo Zero Brasil envolve mais de dez mil pessoas, entre profissionais e voluntários. “É um movimento muito grande, que está crescendo cada vez mais. E todas as pessoas engajadas que conversei durante o prêmio, afirmaram que o método de compostagem que implantamos em Lages precisa ser disseminado para todo o país.

Parceria com o Orion Parque Tecnológico

O Lixo Orgânico Zero de Lages firmou parceria com o Orion Parque Tecnológico, que auxiliará no desenvolvimento do projeto nos próximos dois anos. Além da gestão, fará também a avaliação dos trabalhos e como o projeto está sendo disseminado na sociedade lageana.

Serão efetuadas diversas etapas, como seminários, reuniões, pesquisas na comunidade e trabalhos interativos. “Vamos avaliar se o movimento está adequado e onde estão as falhas para que possamos melhorar. Termos uma equipe multidisciplinar para nos auxiliar na gestão do projeto”, diz a diretora da Secretaria do Meio Ambiente, Silvia Oliveira.