Em coletiva de imprensa, prefeito Antonio Ceron acompanhado do médico pediatra Frederico Manoel Marques e da diretora da UPA, Beatriz Montemezzo esclareceram dúvidas a respeito da mudança.

Por LD,
Lages/SC

📷 Marcelo Pakinha / ASCOM PML

A partir do dia 14 de janeiro de 2020, será iniciada a transferência dos serviços do Pronto Atendimento do Hospital Infantil Seara do Bem (HISB) localizado na zona Norte de Lages para a Unidade de Pronto Atendimento 24 Horas (UPA) localizado no bairro Universitário, na zona Leste da cidade. O fato tem causado descontentamento por parte da população, especialmente por várias dúvidas que ainda estão sem ser respondidas, ou pelo menos estavam, já que o prefeito de Lages, Antonio Ceron (PSD) juntamente com o médico pediatra Frederico Manoel Marques e a diretora da UPA, Beatriz Montemezzo participaram de uma coletiva de imprensa para esclarecer pontos a respeito da mudança.

A primeira dúvida esclarecida é a respeito da emergência do HISB onde foi informado de que ela não será fechada. Mas outros pontos também foram respondidos, como o por quê da mudança, como funcionará o deslocamento de uma estrutura para a outra em caso do paciente não se enquadre no que cada unidade atende, entre outros.

Seguem abaixo alguns destes principais pontos a respeito do assunto:

·        O Município de Lages está adotando todas as providências necessárias para a adequação dos novos fluxos de atendimento pediátrico, sendo que a partir do dia 14 de janeiro de 2020 os atendimentos ambulatoriais serão realizados nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e na UPA, enquanto os atendimentos considerados de urgência e emergência continuarão sendo feitos no Hospital Infantil;

·        A divisão do sistema de atendimento pediátrico (passando os atendimentos ambulatoriais para a UPA, permanecendo no Hospital Infantil os atendimentos de urgência e emergência) está sendo adotada de acordo com as normativas da Saúde Pública, e da forma como é feita em todos os municípios de Santa Catarina e no país;

·        A prefeitura de Lages e o Hospital Infantil estão seguindo a determinação do Ministério Público de Santa Catarina (MP/SC), que exige que os atendimentos médicos pediátricos se enquadrem às normativas de Saúde Pública. Além disso, há um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado em 29 de novembro de 2016 pelo então prefeito Toni Duarte (Cidadania-SC), e que obriga a prefeitura a encaminhar os atendimentos ambulatoriais de pediatria para a UPA;

·        Na classificação de risco, os casos azuis e verdes serão atendidos na UPA. Os demais serão encaminhados ao HISB;

·        Haverá uma ambulância na UPA e outra no Hospital Infantil para atender a demanda de transporte médico-ambulatorial, além do apoio, quando necessário, do SAMU e do Corpo de Bombeiros;

·        Na UPA será instalada uma sala de triagem, dois consultórios e um ambulatório para as crianças;

·        Com esta divisão no sistema de atendimento haverá melhoria nos serviços médicos, pois o Hospital atenderá somente os casos de urgência, emergência e internamentos, ficando a UPA com os atendimentos ambulatoriais;

·        O Hospital Infantil atende demanda média de seis mil atendimentos por ano, sendo que, destes, apenas 5% das crianças atendidas vão para internamento, e;

·        Com a habilitação da UPA para atendimento pediátrico, seguindo todas as normativas de Saúde Pública, o Município de Lages poderá receber mais recursos federais para investimentos no setor de pediatria;


Os atendimentos ambulatoriais, casos onde serão tratados a partir do dia 14 de janeiro de 2020 na UPA, são aqueles considerados de baixa ou média complexidade, onde não há a necessidade de internamento do paciente. Nestas unidades são oferecidas apenas consultas nas especialidades básicas da medicina. Caso a situação do paciente necessite a internação, cabe a unidade ambulatorial tratar da transferência do paciente ou orientá-lo sobre como proceder.

Como dito na coletiva, uma ambulância ficará disponível para o deslocamento até o Hospital Infantil caso a situação seja mais grave. O mesmo ocorrerá no sentido oposto, caso a situação não seja de urgência ou emergência, outra ambulância estará a disposição para transferir o paciente para a UPA. Casos as ambulâncias estejam em uso, poderá ser solicitado o apoio do SAMU ou do Corpo de Bombeiros.

Confira a classificação de risco e em qual unidade será o atendimento:

·        Vermelho (emergência): neste caso o paciente necessita de atendimento imediato – este caso será tratado no HISB;

·        Laranja (muito urgente): o paciente necessita de atendimento o mais rápido possível – este caso será tratado no HISB;

·        Amarelo (urgente): neste caso o paciente necessita de avaliação, o caso não é considerado emergência, e o paciente já tem condições de aguardar atendimento – este caso será atendido no HISB;

·        Verde (pouco urgente): casos pouco graves, que podem inclusive serem tratados ambulatoriamente – este caso será tratado na UPA;

·        Azul (não urgente): casos de baixa complexidade, o paciente pode ser tratado ambulatoriamente – este caso será tratado na UPA.