“Os índices e registros de AVCs indicam que de cada dez pessoas, uma sofrerá AVC, daí a importância da conscientização da população para o problema.” – Elusa Camargo.

Por IRAN ROSA DE MORAES da ASCOM PML,
Lages/SC

📷 Iran Rosa de Moraes / ASCOM PML

A campanha pela prevenção do Acidente Vascular Cerebral (AVC) foi reforçada nesta segunda-feira (7 de outubro) com a realização da 3ª Marcha de conscientização pública. E no domingo (6 de outubro) cerca de 400 pessoas já haviam participado de outro evento semelhante, o 2º Correndo do AVC.

A 3ª Marcha de Prevenção ao AVC teve organização do Centro Especializado e Reabilitação (CER)/Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac), Hospital Nossa Senhora dos Prazeres (HNSP) e da Rede Serra AVC, com apoio da Secretaria Municipal de Saúde e do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Comped).

A 3ª Marcha teve concentração às 9h desta segunda-feira (7), no Largo da Catedral, onde ocorreu solenidade de abertura das atividades, com pronunciamento dos organizadores, entre os quais a coordenadora do CER/Uniplac, Elusa Camargo; superintendente do HNSP, Fábio Lage; presidente da Rede Serra, Rejane Warmling; vice-prefeito, Juliano Polese; secretária municipal de Saúde, Odila Waldrich, e a presidente do Comped, Volsiú Waltrick.

Em seguida os participantes marcharam em direção à Praça Vidal Ramos Sênior (anexa ao Terminal Urbano), onde também ocorreu a comemoração do Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência. Neste local, cartazes de ambas campanhas públicas foram estendidos e material impresso foi distribuído para chamar a atenção das pessoas.

Conforme as autoridades médicas divulgam, os Acidentes Vasculares Cerebrais (AVCs) têm sido a principal causa de óbitos no Brasil e atingem pessoas de todas as idades. No mundo, o AVC é a principal causa de incapacidade, resultando em mais de 100 mil mortes por ano. Por isto, desde 2010, no dia 29 de outubro, a Campanha Mundial de Combate ao AVC busca orientar a população sobre os riscos da doença, os sinais de alerta e as formas de tratamento. “Os índices e registros de AVCs indicam que de cada dez pessoas, uma sofrerá AVC, daí a importância da conscientização da população para o problema”, destaca Elusa Camargo.

Rejane Warmling salienta que se cada pessoa repassar as informações de prevenção para outras dez pessoas, serão dez pessoas que provavelmente poderão ficar livres do AVC, pois para prevenir é preciso adotar as medidas e os cuidados indicados pelos médicos, entre os quais cuidados com a alimentação, exercícios físicos e evitar o tabagismo e alcoolismo. O impacto do AVC na vida das pessoas pode ser reduzido, levando-se em conta seis cuidados básicos sobre fatores de riscos, tais como:

1 - Hipertensão arterial sistêmica, diabetes, colesterol alto e arritmias cardíacas (fibrilação atrial);
2 - Ser fisicamente ativo e exercitar-se regularmente;
3 - Evitar a obesidade, mantendo dieta saudável;
4 - Limitar o consumo de bebida alcoólica;
5 - Evitar o uso de cigarro (parar de fumar), e
6 - Aprender a conhecer os sinais de alerta de um AVC

Dia de Luta

A Associação Serrana dos Deficientes Físicos (Asdf) e a Associação dos Deficientes Visuais do Planalto Serrano (Adevips) estiveram integradas às atividades deste dia especial de conscientização e de alerta para os problemas impactantes do AVC e da luta empreendida pelos deficientes físicos na busca de melhorias constantes das condições de mobilidade (infraestrutura urbana compatível com as necessidades de deficientes físicos). “Este dia de luta é oficialmente comemorado em 21 de setembro de cada ano e em Lages teve de ser transferido para esta segunda porque na data anterior não pôde ser realizado devido à ocorrência de chuva. Portanto, ambos os eventos de ‘luta e conscientização’ foram integrados em uma só campanha pública”, conclui Volsiú Waltrick.