Eventos e ações para estimular empreendedores a conhecer e se inserir no mercado estrangeiro estão sendo promovidos em todo o Estado, sendo que na Serra, visitas e uma roda de conversa foi ocorreu na última quarta-feira (16).

Lages/SC

📷 Catarinas Comunicação / Divulgação

O Programa de Internacionalização de Pequenos Negócios do Sebrae busca intensificar a entrada de micro e pequenas empresas no comércio exterior. Alguns eventos e ações para estimular esses empreendedores a conhecer e se inserir no mercado estrangeiro estão sendo promovidos em todas as regiões do Estado. Na Serra, visitas e uma roda de conversa com empresários ocorreram nesta quarta-feira (16).

Este foi o primeiro passo de um trabalho que deve se estender pelos próximos quatro anos. Experiente no processo de internacionalização, o coordenador do programa, Filipe Galloti Peixoto, diz que a proposta do Sebrae é estimular as relações de comércio com outro países, seja na importação ou exportação de produtos e serviços, independente do tamanho da empresa.

“Vamos dar o suporte necessário para que entendam os caminhos e melhorem a gestão dos negócios. Para isso, contamos com importantes parceiros”. Entre os apoiadores estão a Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) e os sindicatos filiados e a Associação Catarinense de Tecnologia (Acate).

Felipe ouviu das próprias empresas quais as demandas, carências e perspectivas com a relação internacional. “É fundamental saber o que entendem e querem. Muitas compram ou vendem para outros países, mas não estão inseridas no processo de internacionalização”.  Os que desejarem participar do programa farão um teste de maturidade para identificar o nível em que se encontram e, partir daí, conhecer e adotar estratégias para conquistar o mercado fora do país.

Para o gerente regional do Sebrae, Altenir Agostini, na Serra existe uma demanda reprimida. “No mundo dos negócios não há limites. Temos muitos micros e pequenos empresários que podem aproveitar a oportunidade para expandir os interesses. E o Sebrae vem com o apoio técnico para identificar as potencialidades e fortalecer as iniciativas”.

Nos últimos anos, a participação de micro e pequenos negócios catarinenses em operações internacionais vêm crescendo. Em 2017, as microempresas representavam 5,42% e as pequenas 18,07%, no ano seguinte os números passaram para 5,49% e 23,60%, respectivamente. Além disso, a participação de Micro Empreendedores Individuais (MEI) passou de 1,21% para 2,50%, segundo a Análise de Comércio Internacional Catarinense de 2017 e 2018, da FIESC.