Nova torre do Hospital Tereza Ramos deve funcionar no segundo semestre de 2020


Segundo o Secretário de Estado da Saúde, Helton Zeferino, as obras estão em 94% delas concluídas.

Por CÂMARA DE LAGES,
Lages/SC

📷 Nilton Wolff / Divulgação

Durante audiência pública realizada na Câmara de Vereadores de Lages na noite de quarta-feira (18), representantes do Governo do Estado anunciaram que a nova torre do Hospital Tereza Ramos poderá iniciar as suas atividades no segundo semestre de 2020. Essa é a expectativa do secretário estadual da Saúde, Helton Zeferino, se tudo ocorrer dentro do cronograma previsto.

O novo prédio se encontra com 94% das obras físicas concluídas e 45% dos equipamentos e mobiliários adquiridos. “A ativação da ala nova será feita por etapas, de forma gradual. [..] A partir do segundo semestre de 2020, acreditamos que teremos condições e capacidade de servidores, de equipamentos disponíveis e, obviamente, teremos a finalização das obras”, anunciou o secretário.

A reunião foi proposta pelo vereador Lucas Neves (Progressistas), através do requerimento 191/2019, com o objetivo de sanar as dúvidas da população sobre o assunto. “Saímos da audiência com a sinalização de que no segundo semestre de 2020 a nova torre será colocada em funcionamento. É importante a gente ter uma data para acompanhar. Esperamos que o prazo dado pelo secretário seja cumprido e nós vamos seguir acompanhando”, disse o proponente. 

A abertura da unidade hospitalar é muito aguardada por toda a população, pois promete dar mais qualidade ao serviço de saúde pública em Lages e região. A medida também deverá desafogar o atendimento na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24h, que foi inaugurada recentemente e já sofre com a superlotação de pacientes que aguardam por leitos para internação.

Auditoria Externa

Ainda na pauta, o secretário Helton Zeferino explicou que houveram denúncias no Ministério Público em relação a execução dos serviços, por isso, o Estado abriu um auditoria externa para apurar inconsistências e avaliar a obra na sua integralidade. Esse processo precisa estar concluído antes do término das obras.

Gestão

Segundo Zeferino, a torre será ativada em etapas, visto que serão necessários entre 700 e 900 novos servidores para atuação na unidade. A gestão será feita pelo Estado e não se cogita uma privatização do hospital. No entanto, o modelo de contratação dos servidores ainda não foi definido.

Aparelho de ressonância magnética

O equipamento existente no HTR não está operando. Os exames estão sendo contratados na rede privada tanto aos pacientes internados quanto aos da clínica de oncologia. Pela justificativa dada pelo secretário estadual de Saúde, já existe um processo licitatório para aquisição de um novo equipamento a ser instalado na nova torre. O antigo tem data limite de uso (até o fim do ano), por isso não será mais reativado.

O mais moderno do Estado

Com a ampliação do serviço, o HTR deve se tornar um dos hospitais mais modernos do Estado. O novo prédio possui uma área construída de 25 mil m², com cinco andares. Após ser concluído, o novo bloco terá capacidade para 93 leitos eletivos e mais 30 na UTI. A ampliação beneficiará mais de 800 mil pessoas de 67 municípios catarinenses.

Apelo dos Vereadores

Os legisladores utilizaram a tribuna para sanar dúvidas, reivindicar e cobrar a abertura imediata da nova torre. Sobre a funcionalidade da nova ala hospitalar foi solicitado que o Governo do Estado envie à Câmara de Lages um relatório com todos os dados sobre a obra, detalhando as etapas e o que falta para começar a operar.

A sessão foi conduzida pelo presidente do Legislativo Lageano, Vone Scheuermann (MDB). Também participaram os edis Bruno Hartmann (PSDB), Gerson Omar dos Santos (PSD), Jair Junior (PSD), Jean Pierre Ezequiel (PSD), João Chagas (PSC), Luiz Marin (Progressistas), Mauricio Batalha Machado (Cidadania), Pedro Figueredo (PSD) e Sargento Sobrinho (DEM).

Autoridades

A mesa dos trabalhos também teve a presença do chefe da Casa Civil, Douglas Borba; do prefeito de Lages, Antonio Ceron; da diretora do HTR, Andréia Berto; da secretária municipal de saúde, Odila Waldrich; e do secretário-executivo da Amures, Walter Manfrói.

A plenária também recebeu prefeitos e secretários da região da Associação de Municípios da Região Serrana (Amures); membros da Associação Empresarial de Lages (Acil); da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. A população fez uso da fala, reivindicou e expôs as dificuldades que a cidade enfrenta diante da ala fechada. O público permaneceu até o fechamento da audiência, ouvindo atentamente todas as justificativas apresentadas pelos representantes do governador Carlos Moisés da Silva. Agora todos esperam que o prazo anunciado pelos secretários estaduais realmente seja cumprido e que a torre passe a operar em 2020.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enquete: participe e vote em quem você acha que será a rainha da Festa do Pinhão 2019

Lages a Nova Iorque com a Azul, a partir de junho

Internautas reagem a Mario Motta na bancada do ‘Jornal Nacional’