Obras estão seguindo o cronograma normal e a praça poderá ser entregue no dia 23 de novembro, um dia após o aniversário de Lages.

Por LD,
em Lages/SC

📷 Praça João Costa. (Foto: Greik Pacheco / ASCOM PML)
O prefeito de Lages, Antonio Ceron (PSD) vistoriou na manhã desta terça-feira (23) as obras de revitalização do Centro de Lages, a partir da praça João Costa (Calçadão) e as notícias são animadoras. O engenheiro responsável, Leonardo Tutida, da empresa Terra Engenharia vencedora da licitação de execução desta obra foi o responsável por mostrar e explicar o andamento das obras tanto da praça João Costa quanto do Mercado Público, ambos executadas pela mesma empresa. 

Segundo as explicações técnicas de Tutida, o cronograma de obras da praça João Costa segue normal, mas que a partir do momento em que as obras avançarem sobre as calçadas defronte às lojas, pode haver um impacto ao movimento comercial. “Iremos concentrar os trabalhos (drenagem) nos finais de semana, a partir da tarde de sábado, para que este impacto seja minimizado. Mas de qualquer forma, haverá um corredor para a livre passagem dos transeuntes, explicou o engenheiro.

O engenheiro ainda salientou que o prazo para a entrega da praça até o dia 23 de novembro, um dia após o aniversário de Lages, poderá ser cumprido, porém deixou claro que a estrutura do palco onde ocorrerão as apresentações artísticas e culturais, por se tratar de uma obra mais complexa em termos de engenharia civil não deverá estar 100% pronta até esta data.

Para a comercialização dos espaços que serão instalados na praça João Costa como os cafés e livraria será feito uma licitação individualizada.

Vistoria também nas obras do Mercado Público

Já no Mercado Público de Lages, a população lageana deverá ser contemplada com mais este espaço de lazer e entretenimento apena no primeiro trimestre de 2020.

Para o prefeito Antonio Ceron, a expectativa é de que as obras sejam entregues até o mês de março de 2020. Durante a visita, o engenheiro Leonardo Tutida, apontou que as obras do novo mercado estão com 55% delas concluídas.

Enquanto as obras seguem sendo executadas, Ceron pediu à Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) que ajude a definir o modelo mais adequado para funcionamento do Mercado Público, no que se refere à ocupação legal dos espaços de vendas (boxes comerciais de produtos típicos), da praça de alimentação e de prestação de serviços. Para isso “será feita uma chamada pública com termo de concessão administrativa à uma única empresa”, explicou Antonio Ceron.

Alguns mercados públicos, como por exemplo, o de Curitiba e o de Porto Alegre foram visitados por uma equipe técnica da Prefeitura de Lages, em busca de subsídios para a elaboração de um modelo administrativo compatível com a realidade histórica e cultural do Mercado de Lages.