Com a conclusão dos projetos da avenida Ponte Grande e do Complexo Araucária, Lages terá capacidade para coletar e tratar mais de 70% do esgotamento sanitário da cidade.

Por IRAN ROSA DE MORAES da ASCOM PML,
em Lages/SC 

📷 Marcelo Pakinha / ASCOM PML

A questão das desapropriações de imóveis foi o ponto mais enfatizado na reunião mensal das obras da Avenida Ponte Grande e do Complexo Araucária, realizada nesta quarta-feira (15 de maio), na Prefeitura de Lages, com participação do prefeito Antonio Ceron, do vice Juliano Polese, secretários municipais, representantes da Caixa Econômica Federal e das empresas gerenciadoras e executoras de ambos os projetos urbanos.

A Prefeitura irá quitar os custos das desapropriações com recursos do Finisa, repassados à Prefeitura, via Caixa Econômica Federal. Com isso, o andamento das obras será acelerado, especialmente no tocante à rede central de esgotamento sanitário, obra básica do projeto de implantação da Avenida Ponte Grande.

De um total de 11.300 metros de extensão de rede de esgoto, contratados pela Prefeitura de Lages com a empresa STC Engenharia, 3.500 metros já foram implantados ao longo da avenida Ponte Grande. Nesta metragem está o trecho que se estende desde o ponto de confluência com a rua Cirilo Vieira da Costa (no bairro da Várzea) até o cruzamento com a avenida Castelo Branco (bairro Ferrovia).

As obras seguem sendo executadas deste ponto em diante, em direção à avenida Presidente Vargas (na descida para a Penha) e a BR 282 (atravessando o ponto do viaduto), com a estimativa de que até julho de 2020 as obras estejam concluídas. O contrato com a STC, empresa vencedora de licitação pública, gira em torno de R$ 13 milhões.

Este projeto, em execução, compreende um emissário central construído em concreto e as redes coletoras transversais, em tubos de PVC, além de seis estações elevatórias e a conclusão das obras do Módulo 3 da Estação de Tratamento de Esgoto, localizado no bairro Caça e Tiro.

No trecho já concluído, localiza-se o Condomínio Ponte Grande e segundo explica o engenheiro da STC, Géverton Moraes, a coleta do esgoto das cerca de 200 casas deste condomínio já está sendo tratado pela ETE-Caça e Tiro. “Como o projeto está sendo executado por etapas (pré-definidas), na medida em que um trecho é concluído, às áreas urbanas onde já têm rede coletora implantada pela Semasa podem ser interligadas ao emissário central da avenida Ponte Grande”, explica Géverton.

Além do Condomínio das 200 casas, onde residem as famílias realocadas de áreas ribeirinhas, outros condomínios e loteamentos de casas populares, do bairro Popular, por exemplo, já estão ou poderão em breve serem interligados ao emissário que leva o esgotamento sanitário para a ETE Caça e Tiro.

Saneamento e Desenvolvimento

Importantes investimentos imobiliários que alcançam a cifra de centenas de milhões de reais foram projetados para terem o esgotamento sanitário interligado ao emissário da avenida Ponte Grande. Cita-se por exemplo os loteamentos Verdes Campos (bairro Chapada), Nova Lages (Jardim Panorâmico), Cristo Rei (Guarujá), além de condomínios, como é o caso do Tordesilhas, localizado na rua Bruno Luersen (Vila Mariza).

Por exemplo, quando a STC Engenharia concluir as obras no trecho entre as avenidas Castelo Branco e Presidente Vargas, a rede coletora que desce pela rua Bruno Lursen será imediatamente conectada ao emissário central e deste à ETE-Caça e Tiro.
Com a conclusão dos projetos da avenida Ponte Grande e do Complexo Araucária, Lages terá capacidade para coletar e tratar mais de 70% do esgotamento sanitário da cidade.