Após ser resgatado das margens de um rio cujas águas subiam rapidamente devido às chuvas, o cidadão foi levado a um abrigo, onde recebeu atendimento adequado. Agora, o trabalho será no sentido de descobrir quem ele é, de onde veio e por que está em Lages.

Por PABLO GOMES da ASCOM PML,
em Lages/SC 

📷 Divulgação
O estrangeiro desconhecido que vive debaixo de uma ponte na Avenida Presidente Vargas, no bairro Coral, em Lages, finalmente aceitou receber atendimento adequado por parte do poder público. Na tarde desta sexta-feira, dia 24, ele foi socorrido pela Defesa Civil Municipal quando corria o iminente risco de ser atingido pelas águas do Rio Ponte Grande, que subiam rapidamente devido à chuva. E depois disso, uma força-tarefa foi feita para garantir a maior dignidade possível ao cidadão.

No momento do resgate, por volta das 16h, o rapaz estava molhado e com frio. Tão logo foi retirado das margens do rio, ele foi imediatamente conduzido ao Acolhimento Pop, um abrigo para pessoas em situação vulnerável localizado na Rua Frei Gabriel, no bairro Universitário. Inicialmente ele aceitou a ajuda, mas logo ficou nervoso e ameaçou fugir do local.

Profissionais da Secretaria de Assistência Social e Habitação conseguiram acalmá-lo e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado para analisar o quadro clínico. Paralelamente, a Secretaria de Comunicação Social da Prefeitura e a Polícia Federal corriam contra o tempo em busca de informações sobre o cidadão, pois a qualquer momento ele poderia se alterar novamente, sair do abrigo e se esconder, o que praticamente impossibilitaria um novo atendimento.

Em relação à abordagem, a operação foi exitosa. Dois policiais federais foram até o Acolhimento Pop e conseguiram colher as impressões digitais do estrangeiro. Porém, como ele não tem nenhum documento e apenas balbucia poucas expressões em português, a comunicação ficou comprometida. Algumas palavras indecifráveis escritas por ele em um pedaço de papel também em nada ajudaram.
A exemplo da identidade, o idioma também é desconhecido. Alguns haitianos e senegaleses que moram em Lages tentaram contato com ele, mas igualmente em vão. O rapaz apenas diz que é da África, mas não explica a região de origem, nem como chegou ao Brasil e muito menos por que veio parar em Lages.

A hospedagem com sanitário, chuveiro, alimentação e cama quentinha foi oferecida ao cidadão no Acolhimento Pop por tempo indeterminado. A expectativa é de que, ao constatar as boas intenções dos lageanos e se sentir seguro e confortável, ele decida ficar no abrigo. Porém, por direito, a opção de permanecer no local é única e exclusiva dele. 

Ninguém, nem mesmo a Polícia Federal, pode segurá-lo à força ou obrigá-lo a ir ou ficar onde ele não quer, pois não há qualquer comprovação sobre uma eventual condição de imigrante ilegal ou foragido internacional. Enquanto isso, a PF continuará o difícil trabalho na tentativa de identificação. Já a Prefeitura acompanhará de perto e oferecerá todo o tipo de ajuda ao misterioso estrangeiro que passou a viver às margens de um rio, debaixo de uma ponte, do outro lado do mundo, em Lages.