O total foram 32 jazigos e sepulturas atingidos entre o dia 14 de maio até a data atual.

Por DANIELE MENDES DE MELO da ASCOM PML,
em Lages/SC

📷 Secretaria de Meio Ambiente / Divulgação
Vandalismo e crimes de furto em estruturas públicas não são incomuns em Lages, lamentavelmente. O caminho para a auto-conscientização da comunidade ainda é longo, mas não se pode desistir de sensibilizá-la, engajando crianças e adolescentes, desde a escola, além de adultos e idosos nas mais distintas esferas de convívio, seja dentro de casa, associação de moradores, igreja. Um dos alvos recentes foi o Cemitério Municipal Cruz das Almas, na avenida Marechal Floriano, bairro Santa Rita. Furtos e danos de objetos no Cemitério começaram a ser notados a partir do dia 14 deste mês, e desta forma a administração realizou um levantamento de danos. O total foram 32 jazigos e sepulturas entre dia 14 até a data atual.

Neste sábado e domingo (18 e 19 de maio) foram subtraídas portas e janelas de alumínio, placas de identificação e letras de bronze arrancadas, e tampos mexidos. Não houve violação de lacres em túmulos e jazigos. Embora diversas sepulturas tenham sido danificadas não há registro de acesso à integridade física.

Esta não foi a primeira vez que este tipo de crime ocorre. Os delitos acontecem esporadicamente, porém, desta vez foi intensificado. Segundo o coordenador do Cemitério, Anderson Daniel de Liz, de acordo com a Polícia Militar (PM) tudo indica que existe um novo bandido em atuação na área.

Em um primeiro contato com o secretário de Serviços Públicos e Meio Ambiente, Eroni Delfes Rodrigues, pasta municipal que opera a gestão dos cemitérios públicos, as orientações repassadas por este gestor foram providenciar o Boletim de Ocorrência (B.O.) junto à Delegacia de Polícia Civil, comunicar às famílias sobre o sinistro e após a perícia executar o trabalho de limpeza dos locais atingidos em razão dos cacos e estilhaços de vidros quebrados espalhados, bem como toda a sujeira e desordem geradas.

As famílias estão sendo informadas e o secretário Delfes entrará em contato com a Coordenadoria de Segurança e Trânsito em reivindicação de apoio com rondas e um ou dois guardas noturnos. Será enviado um pedido de policiamento ostensivo na região à Polícia Militar, para coibir novos atos. Em relação aos objetos, cada proprietário é responsável por sua construção. Ao Município resta a incumbência da parte de documentação, limpeza dos corredores e manutenção externa. Casos iguais ou semelhantes podem ser denunciados pelos cidadãos para a Polícia Militar através do número 190, ao Cemitério pelo 3221-1103 ou à Secretaria de Serviços Públicos: 3221-1068.

Existem 3.380 túmulos e jazigos no Cruz das Almas e 12.412 sepultados. O Cruz das Almas presta atendimento todos os dias da semana, das 8h às 18h. Ressalte-se que aos finais de semana, e feriados, com exceção do Dia de Finados e Sexta-Feira Santa, por determinação da Secretaria, os portões laterais são mantidos fechados para melhor segurança e controle dos visitantes pelo acesso frontal, salientando que se o cidadão precisar de acesso para pessoas idosas e portadores com necessidades especiais ou informações sobre sepultamento, basta se dirigir até a administração e solicitar a abertura do portão lateral. O Cemitério possui em seu quadro nove funcionários municipais e cinco pedreiros plantonistas autônomos responsáveis por sepultamentos.

Uma série de ocorrências

Outros problemas de vandalismo na cidade são referentes ao Terminal Rodoviário Dom Honorato Piazera, local que está passando por reforma e modernização. Neste espaço há registros de vandalismo nos banheiros, com retirada de pia e torneira.

Lixeiras e plástico e até de concreto são danificadas e destruídas a chutes. Abrigos de ônibus nos materiais de madeira, ferro e vidro também sofrem danificações, com pichações e quebras, bem como aparelhos de Academias da Melhor Idade (AMIs), parques infantis, e vandalismo em espaços públicos arborizados. Plantas ornamentais e flores são pisoteadas e recebem xepas de cigarro, o que infelizmente acontece em praças, rótulas e canteiros centrais nas vias.

Nem os postes de iluminação pública escapam ilesos, acidentes de trânsito danificam as estruturas, principalmente nas principais avenidas de Lages. Além disto, armas de fogo são utilizadas para danificar os postes, propositalmente. As chamadas bandejas, que protegem as lâmpadas, ficam totalmente perfuradas, e por vezes até mesmo os reatores são danificados. Moradores e comerciantes ficam às escuras e prejuízos financeiros ao Poder Públicos, consequentemente ao bolso dos contribuintes, são causados.