Movimentação à beira da Rodovia Régis Bittencourt deixa motoristas viajantes curiosos.

Por DANIELE MENDES DE MELO da ASCOM PML,
em Lages/SC

📷 Daniele Mendes de Melo / ASCOM PML
Para não perder tempo e otimizar procedimentos futuros, seis máquinas pesadas, de serviços de infraestrutura, estavam em trabalho intenso ao mesmo tempo neste domingo (28 de abril), no terreno da empresa Berneck, à margem da BR-116, próximo à ponte de divisa entre Lages e Capão Alto. As máquinas da Dalba Engenharia não pararam no final de semana, apesar da instabilidade meteorológica.  De acordo com a Berneck, prosseguem os trabalhos de destocamento e limpeza da área depois de retirados os exemplares de pinheiro americano (pinus) no antigo reflorestamento. Após vencidas as etapas de documentações formais, a terraplanagem começará de forma intensa.

99 mil metros quadrados construídos

Com investimentos de R$ 800 milhões na estrutura física com quase 99 mil metros quadrados, a terceira unidade do grupo deve gerar 550 empregos diretos. O barracão principal deve começar a ser construído em 2020. Daí em diante transcorrerá o prazo de mais dez a 12 meses a depender da área. No final de 2020, com quase 100% concluídos, pois a serraria ficará para junho de 2021, o grande negócio estará em operação, embora de modo parcial.

Uma das fábricas mais modernas do mundo

A mega unidade de Lages terá como produto final a fabricação do volume de 500 mil metros cúbicos de MDF por ano e 400 mil metros cúbicos ao ano em serrados. A maioria, 70% da produção de MDF, será destinada ao mercado interno regional e nacional, e o restante ao mercado externo - países da América do Sul, Estados Unidos e China. O mercado de serrados varia, mas estima-se que 80% sejam direcionados para exportação a diversos países, principalmente China. O foco de mercado é a indústria de móveis, construção civil, automotiva, eletrônica, e embalagens.

Na unidade de co-geração a ser implantada junto à indústria, a potência de consumo será de 19 megawatts e geração de 29 megawatts. De água serão consumidos 18 metros cúbicos por hora. O fluxo de caminhões será de 376 ao dia (recebimento de toras, toretes, biomassa e resina; almoxarifado e diversos, e expedição de cinzas, serrados e de painéis).