A previsão é de que tudo esteja pronto daqui mais 25 dias, com trânsito liberado.

Por DANIELE MENDES DE MELO da ASCOM PML,
em Lages/SC 

📷 Toninho Vieira / ASCOM PML

Nesta época inicial da colheita de milho e soja no final do verão e começo do outono é essencial que os produtores tenham a sua disposição uma malha viária rural à altura do volume de escoamento da safra agrícola para a indústria de transformação. Em torno de dez a 12 caminhões comuns, além da média de mais oito caminhões com carreta Julieta, movimentam-se diariamente em Ilhota, região do Salto Caveiras. A prefeitura de Lages, através da Secretaria da Agricultura e Pesca, está reconstruindo a ponte da localidade de Ilhota, na área rural do município. A ponte segue interditada, com desvio do fluxo para a estrada que sai na empresa Letti (descascador de arroz), à beira da BR-116, em Capão Alto.

A obra foi vistoriada pelo prefeito Antonio Ceron na tarde desta sexta-feira (22 de março), juntamente ao secretário da Agricultura e Pesca, Osvaldo Uncini. Caminhões de auto bomba de concreto com lança hidráulica da empresa Concrevias levavam o concreto do veículo até as caixarias na água por uma mangueira içada.  “Em uma vistoria de rotina no interior, se notou a precariedade da ponte, e os riscos eram óbvios. Temos de agir na prevenção de acidentes a moradores, crianças alunas e motoristas de madeireiras que trafegam por aqui. Providências foram tomadas no sentido de economizar recurso público e resolver logo o problema, sem maiores transtornos e prejuízos. Pedimos a compreensão de todos, pois no final vai valer a pena ter uma estrutura de longa duração”, analisa o prefeito.

Cinco operários da prefeitura executam o serviço há mais de 30 dias devido à complexidade do trabalho dentro da água, desmontagem do antigo concreto com rompedor, montagem das caixarias para cimento e instalação de ferragens. A secagem do concreto depositado levará de dez a 15 dias, e logo serão colocadas as vigas e construída a ponte, dependendo das boas condições meteorológicas. A previsão é de que tudo esteja pronto daqui mais 25 dias, com trânsito liberado. Por enquanto, a travessia segue interrompida, com sinalização no local. “Os trabalhadores não param nem aos sábados para correr contra o tempo e devolver a ponte à população”, recorda Uncini.

Todos os serviços acontecem sob supervisão de um engenheiro civil contratado. A ponte da estrada de Ilhota dá acesso a lavouras de soja, milho e feijão, reflorestamentos de pinus (pinheiro americano) e às casas de moradores cujos filhos estudantes são transportados pela prefeitura para estudar em Lages. A ponte liga Ilhota à Santa Terezinha e à rodovia de asfalto em Capão Alto, num trajeto longo e íngreme.

Investimentos próprios

A Secretaria calcula um investimento de R$ 50 mil da prefeitura na obra, uma economia de outros R$ 60 mil se a restauração fosse licitada, além da demora de pelo menos seis meses para entrega da ponte de volta à comunidade. O valor serve para custear madeira, ferro e concreto, mão de obra do engenheiro e remuneração dos servidores municipais, e despesas com o transporte. A legislação permite a compra direta no valor de R$ 30 mil com uma única empresa, mas os R$ 50 mil foram distribuídos em diversas empresas, fornecedoras dos materiais. Todos os trâmites foram legalmente implantados.

Alargamento, mais altura e mais segurança

A ponte possui 38 metros de extensão e o rio Caveiras tem 11 metros de profundidade naquele ponto do alagado. Há trechos em que se chega a 30 e até a 80 metros (canal). A largura será elevada mais 55 centímetros em cada lado, era de 3,80 e foi para 4,50 metros no total, beneficiando as colheitadeiras que antes passavam somente rebocadas em plataformas. A ponte ficará com 85 centímetros de altura em relação à base antiga, ou seja, a prefeitura aumentou a distância, proporcionando maior segurança.

A original possuía mais de 40 anos de existência e era dotada de duas bases. Um dos pilares era mais baixo, porém, bem concretado. Como a água subia demais em dias de chuva forte, elevando o nível do rio, foi feito antigamente um aumento, desta vez com pedra miúda e concretagem, provocando a deterioração da estrutura. Passavam somente carros de pequeno e médio porte e hoje em dia a ponte é passagem para caminhões extrapesados com até 70 toneladas, fazendo com que a ponte começasse a desmanchar. Uma das cabeceiras havia baixado significativamente e o meio estava deteriorado, oferecendo risco de queda aos veículos.

Esta ponte foi desmontada e a Secretaria da Agricultura e Pesca realizou uma nova base com pilares totalmente de concreto. A base da parte de baixo, com pedra ferro, foi mantida, assim como vigas serão reaproveitadas depois de bem examinadas. O reforço com ferragem dará maior durabilidade a nova ponte. As sete fileiras de armação de ferro têm o total de 1.092 quilos, produzidas no setor de Garagem da própria prefeitura.

Pontes e estradas rurais em constante conservação

Lages conta com pontes de pilar de concreto em Passo dos Fernandes e em Rancho de Tábuas e mais 53 pontes de madeira, sendo que outras três foram substituídas por concreto no conjunto de obras de pavimentação na Coxilha Rica. Na divisa entre Lages e Palmeira uma ponte de madeira recebeu manutenção na semana passada e outra receberá nos próximos dias. Desta forma o serviço de atenção às pontes do município encerra por enquanto e estará em dia.  

Na estrada de chão batido de Santa Terezinha do Salto transcorre normalmente o serviço de conservação com abertura de valas laterais para drenagem pluvial e patrolamento da via. Pontos críticos estão recebendo cascalhamento e compactação. O serviço já foi feito na via de acesso à Ilhota, que receberá ainda alargamento da pista. Será necessária a retirada de pinheiros que estão para fora da cerca de limitação de terrenos particulares.

A região do Salto Caveiras está em desenvolvimento turístico e de lazer. Além dos bares e lanchonetes, há opções de campingpara a família e amigos para pescar, fazer lanche à base de peixes da água doce, fazer churrasco e aproveitar o final de semana ou as férias no sossego do interior. Chácaras de empresas e familiares e condomínios residenciais novos embelezam ainda mais o Salto Caveiras.