A entrega e colocação da placa ocorreu na última quinta-feira (7), e contou com a participação de estudantes, professores, comunidade e policiais militares.

em Lages/SC 

📷 Divulgação / PM

 A Escola de Educação Básica Godolfin Nunes de Souza, no bairro da Penha, é a primeira instituição de ensino de Lages a ser certificada pela Rede de Segurança Escolar, da Polícia Militar de Santa Catarina. A entrega e colocação da placa ocorreu na quinta-feira, 7, e contou com a participação de estudantes, professores, comunidade e policiais militares.

Há dois anos sendo desenvolvido na escola, o Programa Rede de Segurança Escolar tem envolvido a comunidade escolar e polícia militar na formação de uma rede de autoproteção e apoio à segurança pública. O coordenador do Programa em Lages, sargento José Valdir Goedert, destaca que a placa vai coroar o bom resultado alcançado, fruto de um trabalho de parceria entre a PM e os participantes. “A instituição cumpriu vários requisitos de parte estrutural e disciplinar exigidos pelo Programa, e agora passa a ser considerada e certificada como uma escola monitorada”.

O comandante do 6º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Alfredo Nogueira dos Santos, comenta que no ambiente escolar o PM assume o papel de agregador e motivador, coordenando os trabalhos e ações da atuação em rede. “A interação com a comunidade faz com que consigamos identificar rapidamente problemas. A presença da PM inibi a prática criminosa ou de algum desvio de comportamento que prejudique o ambiente escolar”.

Além de ampliar os vínculos com a comunidade escolar, protegendo e orientando os alunos quanto à medidas comportamentais preventivas, a PM ainda auxilia a instituição de ensino na construção de soluções pacíficas dos conflitos e problemas de segurança. “Nós nos sentimos seguros, protegidos, porque temos esses parceiros, nossos anjos da guarda. A interação dos soldados da patrulha escolar Guimarães e Viviane com os alunos é tão positiva que eles sentem confiança em contar seus problemas até mesmo de fora da escola”, relata a diretora Rosemeri Zaniz do Amaral Fontana.

A mudança pode ser percebida não só na questão de segurança, mas também no desempenho escolar. O estudante do 1º ano, Alex Wazen Schemens, de 13 anos, estuda na instituição desde o pré-escolar. Foi escolhido como Jovem de Atitude, ou seja, um replicador das ações do programa para os colegas. Ele conta que depois da presença da polícia o ambiente escolar mudou bastante. “O colégio passou por reforma e está mais bonito. Os alunos têm contribuído, estão mais disciplinados e voltados a estudar. Tenho orgulho da minha escola”.