Os casos de latrocínios e homicídios reduziram significativamente em Lages no ano de 2018.

em Lages/SC

📷 Polícia Militar / Divulgação

Um relatório de análise criminal, realizado pela Agência de Inteligência do 6º Batalhão de Polícia Militar de Lages, aponta uma redução de 66% nos crimes de latrocínio e 35% nos casos de violência letal intencional no município. 

Com relação aos crimes de latrocínio, o estudo comparou dados entre os anos de 2015, quando houve registro de seis crimes, e 2018, que fechou com dois latrocínios. Os índices reduziram ano a ano. Este tipo de crime é um dos que mais a polícia consegue influenciar na redução por conta da intervenção correta e, principalmente, pelo foco na redução do roubo.

 O subcomandante do 6º BPM, major Frederick Rambusch, explica que em meados de 2016 iniciou-se um trabalho focado na análise criminal, permitindo mudanças importantes na atividade operacional. O estudo subsidiou a estruturação da prevenção especializada e da repressão qualificada. “Passamos a aperfeiçoar os diagnósticos de problemas de ordem pública, com mais conhecimento e informações objetivas, o que resultou na otimização e a eficácia das atividades operacionais”.

Outro indicador criminal que teve significativa redução foi o de violência letal intencional. No gráfico, a evolução mostra que em 2015 foram registrados 44 casos. Em 2016, houve um aumento, subiu para 48. Em 2017, já com a prevenção especializada e com as ações de repressão qualificada, o número caiu para 35. A queda seguiu em 2018, com 29 casos registrados.

Serra é a única região de Santa Catarina com 100% das redes de prevenção da PMSC implantadas

Atualmente, em termos de segurança pública, a Serra Catarinense se destaca como a única região com 100% das redes de prevenção da PMSC implantadas. Isso significa maior capilaridade do serviço de polícia preventiva em diversas frentes.

 “Evoluímos muito. Disponibilizamos a estrutura para atender de maneira especializada o meio rural, sendo que ao mesmo tempo temos frentes de trabalho atuando nas comunidades escolares e outras ramificações em defesa da figura feminina e combatendo à violência doméstica”, frisa o subcomandante.

Além disso, o oficial destaca o monitoramento intensivo da Rede de Vizinhos e o serviço de atendimento de ocorrências nas ruas, que conta com mais da metade do seu efetivo especializado em radiopatrulhamento. 

Os policiais receberam novos treinamentos, mais modernos e eficazes, com o objetivo de compatibilizar demanda e operacionalidade. “Desse modo, o 6º BPM está entregando um serviço cada vez mais qualificado ao cidadão, com foco na proximidade das comunidades e no atendimento pautado pelas peculiaridades da região”. 

Outro ponto favorável ao trabalho da PM está na maior preocupação e participação da comunidade na melhoria da segurança pública. “O que tem sido diferente é a soma de diversos fatores. O trabalho pautado pela análise criminal, seguida da prevenção especializada e da repressão qualificada. Adiciona-se a isso a parceria com diversos atores dos setores público e privado e a aproximação da comunidade”, finaliza.