Inicia fiscalização com radar portátil em Lages


Os pontos de fiscalização devem respeitar uma escala diária, que indica as vias a serem monitoradas e os horários com maior fluxo.

Por ASCOM PML,
em Lages/SC 

📷 Aline Thives / ASCOM PML

Após um período de ampla divulgação e adaptação por parte dos motoristas, com ações educativas nas principais avenidas, a fiscalização com radar portátil começou efetivamente nesta segunda-feira (3 de dezembro). A operação é executada pelos agentes de trânsito, da Diretoria de Trânsito (Diretran), e pela Polícia Militar, nas vias com maior fluxo de veículos. Os primeiros pontos fiscalizados foram na Avenida Belizário Ramos, próximo à empresa Flex Contact e na Avenida Santa Catarina.  

As aplicações das autuações são previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), e os motoristas devem estar atentos ao limite de velocidade em cada via. A fiscalização com radar será intensificada nos finais de semana em determinados horários de maior risco de ocorrências.

Os pontos de fiscalização devem respeitar uma escala diária, que indica as vias a serem monitoradas e os horários com maior fluxo. Este cronograma não será divulgado, e executado de forma itinerante, ou seja, vai mudando a cada período. “Uma das dificuldades que enfrentamos é que as pessoas começam a se comunicar pelas redes sociais e avisando uns aos outros os pontos onde está sendo realizada a fiscalização, por isso foi definida uma escala diferenciada”, afirma o agente de trânsito, Jhon Lenon de Oliveira.

O objetivo é garantir a segurança de todos no trânsito e evitar acidentes no perímetro urbano. “Os motoristas precisam se conscientizar e pensar que o que importa mesmo é preservar sua vida e a vida de outras pessoas, pois se você está com pressa, muitas vezes alguém está lhe esperando chegar com vida. Com o excesso de velocidade, está arriscando sua vida e de terceiros. É uma questão de bom senso”, comenta o agente Oliveira.

Célio Roberto Chmieleski veio da cidade de Sinope, Mato Grosso do Sul, e conta que naquela região as fiscalizações não são muito comuns. “Cheguei aqui e levei três multas. Mas concordo plenamente com essa iniciativa, pois infelizmente o brasileiro só respeita a legislação do trânsito se doer no bolso”, completa.



Nenhum comentário