Acadêmicos de Fisioterapia desenvolvem atividade inovadora na Apae de Lages


A ‘gameterapia’ promove o estímulo ao cérebro por meio do vídeo game com dispositivo com sensor de movimento.

em Lages/SC

📷 Divulgação / Arquivo Pessoal
Os acadêmicos de Fisioterapia da Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac) estão desenvolvendo uma nova atividade com os pacientes da Apae de Lages. A chamada ‘Gameterapia’ tem como objetivo associar os jogos de vídeo game (Xbox) com os movimentos do paciente por meio do dispositivo ‘kinect’ (um sensor de movimentos).

O bom desempenho do  ‘Xbox 360 Kinect’, como instrumento de reabilitação, instigou a curiosidade científica. De acordo com a professora e supervisora do estágio, Dayane Vieira, a atividade por meio deste dispositivo ajuda na estimulação cerebral e, uma das descobertas a respeito dos efeitos é a de que, a partir dos desafios por eles criados, há uma estimulação cerebral. O cérebro é estimulado a criar células nervosas que ajudam a reestruturar áreas lesadas (neuroplasticidade). Outra característica importante na utilização deste novo recurso terapêutico é a capacidade de melhorar a adesão e o envolvimento dos pacientes no processo de tratamento. A realidade virtual oferecida nos jogos proporciona variadas oportunidades e motivação para atividades de lazer.

Ainda de acordo com Dayane, a nova atividade desenvolvida pelos estagiários visa estimular habilidades e desenvolvimento motor. “As intervenções individuais e grupais, com alunos com deficiência intelectual, motora e com Transtorno de Espectro Autista, têm como objetivos a manutenção e/ou melhora dos componentes de desempenho sensório-motor e cognitivos; estimular habilidades de comunicação e interação social; incentivar a tomada de decisões, estabelecimento de estratégias de solução de problemas e promover a independência e autonomia dos mesmos”, explica.

Para a professora, a aceitação dos pacientes nesse novo método de aplicar a Fisioterapia por meio da gameterapia obteve sucesso. “Os pacientes têm a percepção que o seu movimento reflete no videogame, tornando o atendimento ainda atrativo através de uma ferramenta lúdica que propicia esta vivência em diversas situações, mesmo que muitos apresentem uma incapacidade física e/ou cognitiva.”.



Nenhum comentário