Sassá marca, mas Dedé é expulso e Boca empata para eliminar Cruzeiro


Jogo terminou em 1 a 1 e agora time argentino enfrenta o Palmeiras na semifinal da Libertadores; Cruzeiro se prepara agora para encarar o Corinthians pela final da Copa do Brasil.

Por OGOL.COM.BR,
em Belo Horizonte, MG

O Cruzeiro até saiu na frente do Boca Juniors, com Sassá, mas outra expulsão polêmica de Dedé freou a pressão celeste, e os argentinos arrancaram o empate em 1 a 1 para irem para a semifinal da Libertadores. 

A vitória por 2 a 0 no jogo da ida, que também teve uma expulsão de Dedé, ainda mais polêmica, acabou pesando a favor do time da Bombonera, que pega o Palmeiras na semifinal. 

Cruzeiro busca pressão

Demorou dez segundos para o Cruzeiro dar o primeiro chute no gol: De Arrascaeta mandou arremate de fora e Rossi fez a defesa. Os mineiros esboçavam uma forte pressão inicial. 

O Boca Juniors mostrou não sentir muito a tensão no Mineirão. Com Zárate, quase conseguiu um gol que esfriaria o jogo, mas Fábio foi no canto evitar. 

De qualquer forma, os argentinos aguentaram a pressão inicial e sofreram poucos sustos. Só em arremates de fora o time celeste conseguia assustar. Na primeira oportunidade que teve na área, Thiago Neves chutou por cima.

O time brasileiro assustou pouco na primeira parte. O lance mais perigoso foi um chute perigoso de fora de Lucas Silva. A bola parada também não funcionou. Quando ia dando certo e Barcos ia marcando, o lance acabou anulado. O árbitro marcou falta de Dedé em Rossi em lance muito duvidoso.

Sassá marca, mas Dedé volta a ser expulso

Mesmo sem ter marcado no primeiro tempo, a Raposa voltou do intervalo com paciência, trocando passes para tentar vencer um rival fechado. O lado xeneize seguia tentando fazer o tempo passar. 

Mano Menezes achou a saída para o 0 a 0 no banco de reservas: Sassá entrou e, no primeiro toque que deu na bola, abriu o placar, finalizando de canhota após sobra de bola na área. 

Faltava um gol para igualar o placar argentino da Bombonera. A torcida celeste fazia do Mineirão uma panela de pressão. Assim seriam os minutos finais. 

O Boca se fechou como time pequeno. Deixou a bola o tempo todo com o rival e se limitou a marcar. A Raposa, porém, teve de lidar com outra expulsão de Dedé, dessa vez após entrada em rival no meio campo. Outra expulsão de Dedé polêmica, diga-se.

O Cruzeiro não conseguiu, de novo, superar a expulsão de Dedé. Foi até valente, é verdade, ao seguir lutando, mas acabou vendo os argentinos irem para a semifinal com o gol de empate de Pavón, nos acréscimos. 




Nenhum comentário