Seminário de Inclusão termina com mostra de entidades e serviços prestados às pessoas com deficiência


Apresentações musicais, contações de histórias e exposições de desenhos estiveram na programação desta sexta-feira (21).

Por ASCOM PML,
em Lages/SC

📷 Gabriela Sassi / Divulgação
 
De 7 a 21 de setembro, palestras, debates e mini-oficinas marcaram o VI Seminário de Inclusão e o V Encontro de Luta pelos Direitos da Pessoa com Deficiência. E nesta sexta-feira (21 de setembro), Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência, na Praça da Catedral, o encerramento foi marcado pela mostra de entidades e serviços prestados às pessoas com deficiência.

Associação Deficientes Visuais Planalto Serrano (Adevips), Associação Pais Amigos Surdos (Apas), Associação Serrana de Deficientes Físicos (Asdf) e Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae/Lages), foram algumas da entidades que expuseram os trabalhos desenvolvidos pelos respectivos representantes. Entre os serviços, o Centro Especializado em Reabilitação do Centro de Educação Profissional (Cedup/Lages), através do Curso técnico de Enfermagem, prestou aferimento de pressão para o público. Pela Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac), além dos serviços de beleza disponibilizados pelo Curso de Cosmetologia e Estética, os alunos do Curso de Educação Física realizaram pintura facial e disponibilizaram jogos de tabuleiro como atividades recreativas.

Quem passou pela Praça da Catedral também teve oportunidade de experimentar como é conviver com deficiência visual no dia a dia através de simulações no túnel dos sentidos. Além disso, apresentações musicais, contações de histórias e exposições de desenhos das EMEBs Pedro Candido, Osni de Medeiros Régis, Nossa Senhora da Penha, Trajano, Aline Giovana Schmidt, Mutirão e Nossa Senhora dos Prazeres, também estiveram na programação durante o dia.
  
O principal objetivo do Seminário foi difundir as situações relacionadas às pessoas com deficiência, desde a legislação, direito, qualidade de vida, acessibilidade, relatos, desafios e dificuldades do dia a dia, e a inserção no mercado de trabalho. “Nosso propósito é mostrarmos para a comunidade que elas são pessoas normais, e a ‘anormalidade’ está na maneira das pessoas enxergarem a deficiência. São várias as situações, desde alguma doença como um acidente, que qualquer pessoa pode passar em qualquer momento da vida. Precisamos transformar nossa sociedade e quebrar as barreiras do preconceito”, comentou o conselheiro Volsiú Waltrick. O secretário de Assistência Social e Habitação, Samuel Ramos, disse que o poder público está comprometido em ser um parceiro para diminuir as diferenças do dia a dia. 

A prefeitura de Lages, através da Secretaria de Assistência Social e Habitação, foi o apoiador do evento promovido pelo Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Comped) e pelo Curso de Psicologia da Uniplac. Analéia Levitte, presidente do Conselho Municipal Comped, também esteve presente na abertura da programação.

O dia 21 de setembro

Essa data foi oficializada em 2005 pela Lei nº 11.133, entretanto já era reconhecida desde 1982. O 21 de setembro foi escolhido porque está próximo do início da primavera, estação do aparecimento das flores. Esse fenômeno representaria o nascimento e renovação da luta das pessoas com deficiência.

Reconhecimento da pessoa com deficiência

Segundo a Lei nº 13.146/15, a pessoa com deficiência é aquela que tem impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas.

📷 Gabriela Sassi / Divulgação



Nenhum comentário