Banco do Emprego e Sine serão unificados


A capacitação dos candidatos, através do “Qualifica Mais”, é um diferencial para quem está em busca de oportunidades de emprego.

Do ASCOM PML,
em Lages/SC

📷 Camana Sweilem / ASCOM PML

Com um objetivo em comum, que é facilitar o acesso ao mercado de trabalho, o Banco do Emprego, vinculado à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, e o Sistema Nacional de Emprego (Sine), passarão a atuar de forma integrada em breve. As tratativas desta unificação foram tratadas nesta sexta-feira (29 de junho), durante reunião entre o secretário Mário Hoeller de Souza, o Marião, e a chefe de gabinete da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, Mariah Pereira.

Atualmente a unidade do Sine em Lages conta com sete colaboradores, e o Banco do Emprego com uma estrutura formada para atender a população, localizada nas dependências da Secretaria. “Esta negociação vem sendo conduzida há cerca de um ano, até que chegamos à conclusão de que os dois órgãos, tanto o municipal quanto o federal, oferecem basicamente os mesmos serviços, cada um a sua maneira, mas com o mesmo objetivo. Então vamos unir forças, ao invés de dividir”, comenta o secretário Marião.

O sistema utilizado, principalmente para o encaminhamento do seguro desemprego através do Sine, continuará sendo o do Ministério do Trabalho. Algumas vantagens já foram identificadas com esta união.  Uma delas é a capacitação oferecida pela Secretaria de Desenvolvimento, através do programa “Qualifica Mais”, que busca sanar as dificuldades de qualificação por parte dos candidatos às vagas de emprego, em determinadas profissões. “Quando percebemos que os currículos cadastrados ficam muito tempo sem uma contratação, oferecemos a este candidato uma oportunidade de se qualificar em alguma área de atuação, para que passe a ter um diferencial no mercado”, aponta o secretário.

Desde que foi implantado, em março do ano passado, o “Qualifica Mais” já ofereceu 27 cursos, em diversas áreas, formando mais de 700 pessoas. Muitas delas conseguiram emprego através dos estágios oferecidos durante os cursos, outras montaram seu próprio negócio, tornando-se microempresários. “Este é o caminho, o empreendedorismo muda a vida das pessoas”, ressalta Mariah Pereira.

Segundo a chefe de gabinete, desde 2016 o Ministério do Trabalho e Emprego não repassa recursos para o Sine, que ficou a encargo da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação. Isso dificultou a oferta de capacitação, que antes tinha nas unidades do Sine. “Essa parceria entre os Sines e os municípios começou no Rio de Janeiro e teve grande aceitação das comunidades por todo Brasil. Assim vamos juntar o que temos de melhor em prol da população”, destaca.

Nenhum comentário