Greve dos caminhoneiros já começa a afetar setores em Lages


Caminhões-tanque, por exemplo, não têm conseguido chegar em alguns postos.
Supermercados já registram o atraso em algumas mercadorias.

Por LD,
Lages/SC

📷 Pela manhã havia fila em alguns postos, como este na avenida Luís de Camões. (Foto: Maurício Santos / Lages Diário)

A greve dos caminhoneiros que chegou nesta quinta-feira (24) ao quarto dia já começa a influenciar na falta de abastecimento de produtos em mercados, feiras e até mesmo postos de combustíveis. O prefeito Antonio Ceron (PSD) reuniu o colegiado para uma coletiva de imprensa para definir medidas para diminuir os efeitos da greve em setores da administração pública, como a saúde e a educação.


Na noite de ontem, filas começaram a se formar em diversos postos de combustíveis de Lages e da região, tudo por conta do medo da população da falta de gasolina, etanol ou diesel nas bombas por causa dos bloqueios realizados pelos grevistas nas saídas das distribuidoras. Porém, os proprietários dos postos pedem que a população abasteça somente se houver necessidade.  

Saúde e educação serão prioridades

Durante a coletiva na prefeitura, o prefeito Antonio Ceron (PSD) garantiu que neste momento é priorizar os serviços essenciais e básicos à população como a saúde e a educação. Nesse sentido, as aulas na rede municipal estão mantidas pelo menos até a próxima segunda-feira, mas antes no sábado, será realizada uma reunião para reavaliar a situação, caso necessário.

A saúde também será prioridade neste momento de desabastecimento em alguns setores devido à greve.

Transporte coletivo

O Lages Diário entrou em contato com a Transul – empresa que administra o transporte coletivo em Lages – pela manhã desta quinta-feira, 24, o qual informaram que por enquanto o expediente segue normal, pois há combustível suficiente para abastecer a frota pelos próximos seis dias.

Procon em alerta contra os preços abusivos

Em coletiva de imprensa nesta manhã, o diretor do Procon em Lages, Julio Borba, informou que o órgão estará em alerta monitorando os preços sejam nos combustíveis, no gás de cozinha,  e até mesmo nos produtos alimentícios e pede que se a população ver algum preço abusivo praticado por algum estabelecimento que acione o órgão através do telefone (49) 3222-1096 e 9 8402-8496 ou ainda a Polícia.



Nenhum comentário