Militantes agridem jornalistas no sindicato onde Lula está em São Bernardo


O jornalista da rádio CBN, do Grupo Globo, precisou ser protegido por seguranças do deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP). Houve registros de violência contra um fotógrafo do Estadão e um carro do Correio Braziliense foi apedrejado.

Por RICARDO GALHARDO e PAULA REVERBEL
do ESTADÃO,
São Bernardo do Campo/SP

📷 Repórter é agredido no Sindicato dos Metalúrgicos do
ABC, onde Lula está. (Foto: Ricardo Galhardo / Estadão)
Um grupo de militantes cercou e insultou o repórter Pedro Duran, da rádio 'CBN', do Grupo Globo, no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se encontra desde quinta-feira, 5. Grades foram atiradas contra o jornalista, que teve que ser protegido pelo deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP) e seus seguranças. Duran foi colocado num elevador para se refugiar. Um repórter do Estado também foi agredido por um apoiador de Lula enquanto apurava informações.

Os líderes da CUT e do MTST, Vagner Freitas e Guilherme Boulos, tentaram acalmar os manifestantes, mas o clima é pesado no local. Um grupo de jornalistas está cercado na área da agressão e não consegue sair. 

O repórter chegou com identificação de imprensa da CBN pela porta do estacionamento. Estava rodeado de vários outros jornalistas sem identificação. A multidão começou a gritar palavras de ordem contra a Rede Globo e se deslocou atrás do repórter.

Zarattini conseguiu se colocar no meio antes que eles chegassem ao repórter. Houve empurra-empurra e ele foi levado até a parte de acesso restrito. Seguranças dizem que o removeram do prédio.

As agressões a jornalistas têm sido recorrentes nas manifestações contra a prisão de Lula. Houve registros em São Bernardo e em Brasília. Um carro do Correio Braziliense foi apedrejado na capital federal e um fotógrafo do Estado foi atingido por ovos na cidade do ABC paulista. 




Nenhum comentário