“La Casa de Papel”: 8 curiosidades para você que está viciado na série


Segunda parte da série espanhola chegou na Netflix na última sexta-feira (6).

Por MUNDO ESTRANHO,
São Paulo/SP

📷 Netflix / Divulgação

1 – Não, a série não é uma produção da Netflix

La Casa de Papel foi criada por Álex Pina para o canal a cabo espanhol Antena 3, e estreou em maio de 2017. A Netflix adquiriu os direitos de exibição e a produção entrou para o catálogo do serviço de streaming em dezembro do ano passado, mas com uma pequena modificação: os episódios foram reeditados.

Os 15 capítulos originais, com mais de uma hora de duração cada, foram transformados em episódios menores, com aproximadamente 50 minutos. A primeira parte da série, que tinha 9 episódios, passou a ter 13 com o formato criado pela Netflix. A nova leva, que estreou nesta sexta, adapta os seis restantes em outros 9.

2 – A série fez mais sucesso fora da Espanha do que lá dentro

Graças ao streaming, La Casa de Papel atravessou as fronteiras espanholas e se tornou um sucesso no resto do mundo. Por lá, a audiência foi boa (mais de 1,1 milhão de pessoas acompanharam o final da trama) e a série chegou a ser indicada para alguns prêmios. Mas o êxito em países como França, Argentina e, claro, Brasil fez com que ela permanecesse por cinco semanas como a série mais maratonada no ranking do aplicativo TV Time.

3-  “Bella Ciao” foi uma música símbolo da resistência italiana


Cantada a plenos pulmões pelo grupo de ladrões, a canção possui um passado de luta. Ela foi composta no século 19 por camponesas do norte da Itália, que a cantavam durante o trabalho de colheita contra a opressão dos patrões.

A música voltou para a boca do povo durante a Primeira Guerra Mundial com uma nova letra, em tom de protesto ao conflito. Na Segunda Guerra, o partido comunista fez uma terceira versão (sempre mantendo o refrão) contra o governo fascista do ditador Benito Mussolini. E em 2015, quando o partido de esquerda venceu as eleições na Grécia, adivinha qual música eles usaram depois da vitória?

4 – O visual de Tóquio foi inspirada na personagem de Natalie Portman em O Profissional

📷 Tóquio (esq.) em La Casa de Papel e Natalie Portman como Mathilda em "O profissional". (Foto: Divulgação)

Olhando para as duas, a referência fica clara. No longa de 1994, Portman, em seu primeiro papel no cinema, interpreta Mathilda, uma garota que se torna protegida de um assassino profissional e que deseja vingar a morte da família. A atriz Úrsula Corberó, que dá vida a Tóquio, fez, inclusive, uma brincadeira sobre isso em seu Instagram.

5 – A Casa da Moeda da série é uma mistura de três edifícios

📷 A verdadeira Cada da Moeda (à esq.) e a fachada do CSIC (à dir.). (Foto: Wikimedia Commons)

Peça central na trama, o local faz referência à Fábrica Nacional de Moneda y Timbre – Real Casa de la Moneda, organização responsável pela emissão de dinheiro na Espanha. Só que o espaço que aparece na série não é a sede do órgão, em Madri. Ao invés disso, graças à magia da TV, três locações diferentes compõem o ambiente da série.

A fachada da Casa da Moeda fictícia é a do Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC), localizado na capital espanhola. Já para o galpão onde o dinheiro é produzido, foram utilizadas as prensas do jornal ABC, também em Madri (as notas que aparecem na série, inclusive, eram impressas no papel do periódico). Por fim, as outras partes foram gravadas em uma locação nos arredores da cidade.

6 – Você já reparou na quantidade de elementos vermelhos?

Não é só o macacão dos personagens: desde a primeira cena da série, a cor aparece em diversos momentos, como em outras peças de roupa, placas e objetos ( o telefone usado pelos assaltantes, por exemplo). De acordo com o diretor de fotografia do programa, Migue Amoedo, o vermelho traz força e intensidade, algo que o criador, Álex Pina, queria passar para o espectador.

7 – A doença de Berlim não existe

Na trama, Berlim (Pedro Alonso) sofre de uma doença chamada miopatia de Helmer. Uma enfermidade com esse nome não existe na vida real — mas, de acordo com o que foi mostrado até aqui, o personagem parece ter miopatia mitocondrial, um distúrbio genético que causa perda progressiva da força muscular. O nome vem da origem do problema: um mau funcionamento das mitocôndrias, responsáveis por fornecer energia para as células do corpo.

8 – Os nomes de alguns personagens foram trocados da ideia original

📷 Divulgação / Netflix

Uma das coisas mais legais da série são os nomes de cidade que cada um dos assaltantes recebeu, parecido com o que ocorre em Cães de Aluguel, primeiro filme de Quentin Tarantino, no qual cada membro da gangue é chamado por uma cor diferente. Na primeira versão da história, Oslo, Nairóbi e Moscou se chamariam Valência, Chernobil e Camarões. Os nomes mudaram, mas não foram descartados: eles viraram os códigos para os planos do grupo.




PREVISÃO DO TEMPO

CURTA O LD

SEGUIDORES

Postagens mais visitadas deste blog

Organizador do Bike Serra morre em acidente em Lages

Um morre e outro fica ferido em acidente entre carro e ônibus em Lages

Proprietário de padaria é morto após tentativa de assalto em Lages