Temperaturas se elevam e controle da dengue está nas mãos da população

Este ano nenhum foco foi encontrado em Lages, mas a prevenção deve ser constante e envolve manter casas e estabelecimentos comerciais limpos.

Por ASCOM PML,
em Lages/SC 

📷 Programa de Controle da Dengue / Divulgação 

Quem mora em Lages está passando um sufoco com o calor extremo dos últimos dias, o que deixa as pessoas mais bem dispostas, outras mais agoniadas. Contudo, tem algo por trás do calor que é motivo de preocupação todos os anos: o surgimento e proliferação do temido mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, o mesmo responsável pela Febre ChikungunyaZika Vírus e febre amarela. Porém, na Ásia, uma outra espécie, albopictus, está relacionada à transmissão. O mosquito da dengue está associado a aproximadamente 20 doenças.

As atribuições do Programa de Controle do Aedes aegypti em Lages são inspeções das armadilhas e em pontos estratégicos com grande quantidade de depósito de acúmulo de água parada, como ferros-velhos, borracharias, cemitérios e floriculturas. Em condições ideais, incluindo temperaturas altas, o inseto se reproduz no período de sete dias, por isto a inspeção é feita por semana, e no ponto estratégico a cada 14 dias. Este ano nenhum foco foi encontrado no município. Os 12 integrantes do Programa de Controle, entre coordenador, supervisor e vigilantes, estão lotados na Vigilância Epidemiológica, vinculada à Secretaria da Saúde. O Programa é coordenado pelo biólogo Marcio Rodrigues da Silva. “Precisamos da contribuição e da conscientização das pessoas para que continuemos sem focos e sem sustos. Estar em alerta e evitar água parada são atitudes simples do dia a dia que fazem diferença para todos”, salienta Marcio.

Em Lages existem 600 armadilhas espalhadas em pontos específicos da cidade para monitoramento. No mapa é respeitada a escala de uma para cada 50 mil habitantes, portanto, uma armadilha a cada 200 metros. Semanalmente, o vigilante faz a averiguação na arapuca, formada por uma parte de pneu com água dentro e arames amarrados nas pontas, pendurado à altura de 1,50 metro do chão (altura em que há a picadura e postura dos voos). O mosquito precisa de água para completar seu ciclo reprodutivo.

100 ovos em um mês

Em média, a fêmea do mosquito põe cerca de 100 ovos durante toda sua vida, que dura 30 dias. O inseto não faz a postura em uma única vez, mas de forma espaçada em diferentes pontos para garantir a sobrevivência da espécie, dificultando seu controle. Visitas domiciliares são realizadas quando há denúncias a partir de demanda espontânea da população.

Será realizada uma força-tarefa do Programa de Controle juntamente à Polícia Militar Ambiental, Secretaria de Serviços Públicos e Meio Ambiente, Vigilância Sanitária e Setor de Tributos, com vistorias eventuais notificações para adequação à lei 16.871, cuja regência que todo estabelecimento deve providenciar cobertura e proteção de depósitos que possam vir a acumular água parada. A dica do Ministério da Saúde (MS) é de que se promovam ações envolvendo as áreas de saúde, educação e assistência social, entre outras.

Na Escola

No dia 28 de outubro, 26 alunos do 5º ao 8º ano do ensino fundamental da Escola de Educação Básica (E.E.B.) Professor Armando Ramos de Carvalho, bairro Bela Vista, receberam orientações acerca do tema. Saíram das salas de aula e foram in loco verificar locais vulneráveis. O Ministério da Saúde mantém o Programa Saúde na Escola, e um de seus eixos é o controle do Aedes aegypti. Palestras são ministradas pela Atenção Básica com parceria da Secretaria da Educação. Em Santa Catarina, o Dia D de combate à dengue foi em 8 de dezembro.

Orientações que salvam vidas

Com o verão, a instrução à população é reforçada, de que sejam eliminadas chances de acúmulo de água parada, a exemplo do lixo jogado no quintal que possa servir de criadouro ao receber chuva, fazer tratamento correto das piscinas com utilização de cloro, verificar cômodos com ralo (se não estiver sendo usado deve ser fechado) e preencher vasos de plantas com areia.

Fique atento aos sintomas

Normalmente, os sinais que podem indicar dengue, Febre Chikungunya e Zika Vírus são febre e dor de cabeça, nas articulações e no fundo dos olhos. No caso da Chikungunya, a dor é mais intensa nas articulações. E no Zika é como se estivesse com a forma branda da dengue, sem febre alta, e tem duração menor dos sintomas.

Tratamento

Não há nenhuma droga antiviral específica para a dengue, portanto manter o equilíbrio hídrico (hidratação) adequado é importante para o paciente diagnosticado. O tratamento depende dos sintomas apresentados, variando desde terapia de reidratação oral em casa com acompanhamento, até a internação com a administração de fluidos intravenosos e/ou transfusão de sangue. A decisão de internação hospitalar geralmente é baseada na presença dos “sinais de alerta”, especialmente em pessoas com condições de saúde preexistentes.

Escorpiões

Um animal peçonhento que amedronta as pessoas é o escorpião, o campeão de solicitações ao Programa de Controle da Dengue nesta época do ano. Em Lages não há a presença do escorpião amarelo (Tityus serrulatus), de importância médica. Mas a vigilância e identificação dos tipos encontrados na cidade ocasionam a certificação de que Lages está livre do amarelo, o mais perigoso. É preciso eliminar pontos que podem servir de abrigo para o animal, como entulhos, restos de material de construção, madeiras, muros de taipas, pedras e rachaduras em paredes.


Nenhum comentário