CD com músicas inéditas de Cristiano Araújo deve ser lançado ainda este ano

O projeto tem como objetivo eternizar a obra do cantor morto há dois anos após um grave acidente na BR-153, em Goiás.

Por LAGES DIÁRIO,
em Lages/SC

📷 Divulgação

H
á exatos dois anos morria em um grave acidente de carro, o cantor e compositor sertanejo Cristiano Araújo, aos 29 anos, e em seu auge na carreira artística. A namorada, Allana Moraes, de 19 anos, também morreu vítima do acidente. Como forma de eternizar a obra do artista, um CD com músicas inéditas de Cristiano Araújo deve ser lançado ainda neste ano.


O projeto deve conter 15 músicas inéditas, além de músicas com sucessos de outros cantores sertanejos como Zezé di Camargo e Luciano, interpretadas na voz de Cristiano Araújo. Entre as músicas que devem estar neste projeto e que já foi divulgada está a canção “Vai Doer”. Já o restante do material é mantido sob sigilo.


Em entrevista ao G1 Goiás, o diretor de comunicação do projeto, Rafael Vanucci, o CD é uma forma de deixar Cristiano ainda vivo no coração das pessoas. “O CD é uma forma de eternizar a obra e continuar alimentando o carinho e o amor que ele deixou para as pessoas. A gente pensa nisso mais como uma homenagem, por isso, tem o momento e a hora certa para ser lançado”, disse Vanucci ao G1.

O acidente

📷 Carro em que Cristiano Araújo estava totalmente
destruído. (Foto: Divulgação / PRF)
Na madrugada do dia 24 de junho de 2015, por volta das 03h10, na cidade de Morrinhos, um grave acidente envolvendo um a Range Rover tirou a vida de Allana Moraes e de Cristiano Araújo, após o veículo sair da pista e capotar na BR-153, na cidade de Morrinhos, em Goiás. No veículo ainda estavam, o motorista, Ronaldo Miranda, e o empresário Victor Leonardo.

O cantor chegou a ser resgatado com vida e levado ao Hospital Municipal de Morrinhos e depois transferido de helicóptero para Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), mas não resistiu aos ferimentos e morreu no início da manhã.

O motorista foi indiciado pela Polícia Civil de Goiás por duplo homicídio culposo, quando não há intenção de matar, pela morte do casal. Dados recolhidos da “caixa preta” do veículo apontaram que a velocidade do veículo cinco segundos antes do acidente era de 179 km/h, bem acima da velocidade permitida no local.

Já o Ministério Público Estadual fez a denúncia do crime, que foi acatada pelo juiz Diego Custódio Borges, da Comarca de Morrinhos, em setembro daquele ano. O processo ainda tramita no Poder Judiciário.